MAIS LIDAS AGORA:

O maior programa de microcrédito produtivo e orientado da América do Sul, o Crediamigo do Banco do Nordeste, comemora 20 anos de atuação com a marca de 5,3 milhões de clientes atendidos. Em duas décadas, foram contratados 33,6 milhões de empréstimos, que totalizaram aproximadamente R$ 54,5 bilhões concedidos.

O programa está presente na Região Nordeste, norte de Minas Gerais e do Espírito Santo e possui 471 unidades e postos de atendimento. Atualmente, o Crediamigo dispõe de 2 milhões de clientes ativos, 67% dos quais são mulheres. Por dia, o programa contrata média de 16 mil operações.

Crescimento

Em 2018, diante de um cenário econômico mais promissor, com perspectivas de aumento do emprego e renda, inflação controlada e maior expectativa de consumo, o Crediamigo planeja crescer em volume de crédito e contratar R$ 8,7 bilhões. Também deve elevar sua carteira de clientes, e ampliar a participação no mercado elegível de microfinanças na Região, estimado em 19,1 milhões de pessoas, segundo recente pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM).
 

Para o superintendente de Microfinança e Agricultura Familiar do Banco do Nordeste, Alex Araújo, tais objetivos baseiam-se na compreensão de que existe ainda um elevado número de empreendedores na área de atuação do Banco com potencial de serem atendidos pelo programa. “Crescer é também importante para a manutenção da liderança no segmento, que tem se tornado atrativo a novos entrantes, especialmente da iniciativa privada. Ser referência nacional significa ditar rumos, experimentar novos conceitos e estar à frente da concorrência em termos de realização de projetos inovadores”, avaliaAlex.

O gestor garanteque essa expansão deve caminhar em paralelo à manutenção da qualidade da carteira, mantendo o elevado padrão qualitativo de concessão e acompanhamento do crédito.

Ceará

Grande parte das operações do programa Crediamigo é contratada no Estado do Ceará. Nestes 20 anos de atuação, os microempreendedores cearenses foram beneficiados com R$ 16,2 bilhões, cerca de 30% do total aplicado em toda a área de atuação do BNB.
 

Somente nos primeiros três meses deste ano, os cearenses contrataram 353,8 mil operações, o que representa montante de R$ 625,7 milhões, com crescimento em torno de 20,27% no volume de contratações, nos últimos 12 meses.


Programa

O Crediamigo oferece serviços financeiros integrados à orientação empresarial. Para operacionalizar o programa, utiliza-se metodologia de concessão do crédito baseada no aval solidário, que contribui para o fortalecimento do capital social e desenvolvimento do setor microempresarial e assegura novas oportunidades de ocupação e renda, de forma sustentável.

Os clientes são pessoas simples como vendedores ambulantes, sacoleiras, donos de mercearias e pipoqueiros, provas vivas do quanto as ações voltadas para pequenos empreendedores podem fazer a diferença na economia.

Na época do seu lançamento, o programa configurou-se como iniciativa pioneira no Brasil, pois a maioria dos microempreendedores não conseguia obter empréstimo, por não estar formalizada ou não oferecer garantias. O Crediamigo apresentou-se como opção acessível, que oferecia crédito ágil e orientado. 

Com informações Assessoria de Comunicação BNB

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou nessa terça-feira (17) reajuste nas contas de luz de consumidores de concessionárias de quatro estados do Nordeste da RGE-Distribuidora de Energia S.A., que fornece energia a usuários de 118 municípios das regiões metropolitana e Centro-Oeste do Rio Grande do Sul, e para uma cooperativa de eletrificação rural de São José do Rio Preto, em São Paulo.

Na Bahia, no Ceará, no Rio Grande do Norte e em Sergipe, as novas tarifas entram em vigor domingo (22).

O jornalista do Jornal Alerta Geral (Expresso 104,3 FM – Grande Fortaleza e Região Metropolitana + 24 emissoras do Interior do Estado), Carlos Alberto Alencar traz mais informações no anexo logo abaixo:

O Ministério das Cidades divulgou, nesta terça-feira (17), uma lista com 162 municípios selecionados para participar do programa Cartão Reforma neste ano. O programa dá a famílias carentes até R$ 9.646,07 para aumentar ou reformar a casa. A previsão é que elas recebam, juntas, R$ 178,5 milhões. O governo ainda deve divulgar neste ano mais duas listas de municípios selecionados para participar do programa. Ao todo, devem ser distribuídos R$ 685,5 milhões em 2018.

No Ceará serão beneficiadas as cidades de Fortaleza e Maranguape. Na Capital, serão beneficiados 610 famílias dos bairros Conjunto Palmeiras, Barroso (Unidos Venceremos), Vila Velha e Comunidade Morro da Vitória, com recursos de R$ 3,5 milhões. Em Maranguape, as comunidades beneficiadas são: Novo Maranguape, Novo Parque Iracema e Santos Dumont, totalizando 150 famílias e recursos totais de R$ 862 mil

O Cartão Reforma é um benefício pago pelo governo para compra de materiais de construção. A ideia é que as famílias possam reformar, aumentar ou terminar de construir a casa própria. Para ter direito ao benefício é preciso que a renda bruta da família seja de, no máximo, R$ 2.811; ter mais de 18 anos ou ser emancipado; ter celular habilitado para receber SMS; ter apenas um imóvel e morar nele; ter condições de fornecer mão de obra, equipamentos e ferramentas para as obras.

Para escolher quem terá direito ao Cartão Reforma será levada em conta a situação socioeconômica da família e o quanto as casas precisam de melhorias. Terão prioridade as famílias com renda mais baixa, que têm pessoas idosas ou com deficiência ou que tenha uma mulher como responsável.

O limite máximo é de R$ 9.646,07 por família. O valor não é um empréstimo, portanto, não será preciso devolver o dinheiro ao governo. Porém, o beneficiário fica responsável por fornecer mão de obra, equipamentos e ferramentas para executar a obra.

A prefeitura deverá fazer o cadastro das famílias que vivem nos bairros selecionados e, depois, decidir quais vão receber o Cartão Reforma. O governo ainda não definiu como será esse processo. Depois que a lista de beneficiários estiver fechada, deve demorar cerca de 30 dias para o cartão ficar pronto. Ele será entregue na casa das famílias escolhidas. As famílias interessadas em participar do programa deverão se inscrever diretamente na prefeitura de sua cidade, segundo o Ministério das Cidades.

Em fevereiro de 2018, 158.038 microempreendedores individuais (MEIs) surgiram no país, 82,5% do total de 191.498 novas empresas constituídas. O total de MEIs nascidos no mês é o maior para o mês de fevereiro já registrado pelo Indicador Serasa Experian de Nascimentos de Empresas desde que a apuração passou a ser feita, em 2010. A quantidade de novos microempreendedores individuais em fevereiro/2018 é 14,4% superior ao levantamento de fevereiro/2017, quando 138.187 novas empresas desse segmento nasceram, frente a um total de 176.319 novas companhias.

De fevereiro de 2010 a fevereiro de 2018, a representatividade dos MEIs foi crescente e impulsionou o aumento geral no número de novas empresas no país. Em oito anos, os Microempreendedores Individuais passaram de 46,1%, em fevereiro/2010, para 82,5%, em fevereiro/2018. De janeiro a fevereiro, 338.184 microempreendedores individuais (MEIs) surgiram no país, 84,2% do total de 401.633 novas empresas.

De acordo com os economistas da Serasa Experian, a lenta recuperação do nível de emprego formal e a retomada do crescimento da economia estão favorecendo a abertura de novos negócios no país, especialmente de microempreendedores individuais. As Sociedades Limitadas registraram a criação de 13.712 novos negócios em fevereiro/2018, representando decréscimo de 0,6% em relação a fevereiro/2017, quando 13.797 empresas desta natureza surgiram.

O nascimento de Empresas Individuais caiu 31,5%, com um total de 9.579 novos negócios em fevereiro/2018; em fevereiro de 2017 haviam sido 13.984 nascimentos. O nascimento de novas empresas de outras naturezas teve queda de 1,8%, com 10.169 novos negócios, em fevereiro/2018, contra 10.351 em fevereiro/2017. No bimestre, foram 25.959 sociedades limitadas, 18.301 empresas individuais e 19.189 empresas de outras naturezas.

Nascimentos de empresas por setor

O setor de serviços continua sendo o mais procurado por quem quer empreender: em fevereiro de 2018, 126.832 novas empresas surgiram neste segmento, o equivalente a 66,2% do total de nascimentos. Os novos comércios totalizaram 48.971 (25,6% do total) e, no setor industrial, foram abertas 15.101 empresas (7,9% do total).

Observa-se nos últimos oito anos um crescimento constante na participação das empresas de serviços no total de empresas que nascem no país, passando de 53,6% (fevereiro de 2010) para 66,2% (fevereiro de 2018). Já a participação do setor comercial de empresas que surgem no país tem recuado (de 34,6%, em 2010, para 25,6% em 2018). A participação das novas empresas industriais também caiu de 8,8% em 2010 para 7,9% em 2018).

Nascimento de empresas por regiões e estados

O Sudeste segue liderando o ranking de nascimento de empresas, com 99.575 novos negócios abertos em fevereiro de 2018 ou 52,0% do total. A Região Sul ocupou a segunda posição, com 18,3% (35.011 empresas). O Nordeste ficou em terceiro lugar, com participação de 15,8% e 30.218 novas empresas. O Centro-Oeste registrou a abertura de 18.013 empresas e foi responsável por 9,4% de participação no total de nascimentos, seguido pela Região Norte, com 8.681 novas empresas ou 4,5% dos empreendimentos inaugurados no mês.

O Sul foi a região que registrou a maior alta no número de nascimentos (14,1%) na comparação entre fevereiro/2017 e fevereiro/2018. O Sudeste apresentou crescimento de 10,8% interanual, seguida pela região Centro-Oeste, que apresentou elevação de 10,0%. O Nordeste contabilizou a abertura de 1,3% a mais de novos empreendimentos entre fevereiro de 2017 e fevereiro de 2018 e no Norte houve decréscimo de 9,3% nos nascimentos de fevereiro/2018 em relação ao mesmo mês do ano passado.

Entre os estados, em fevereiro de 2018, São Paulo foi responsável por 29,3% dos novos negócios, totalizando 56.100 empreendimentos inaugurados. A segunda posição no ranking nacional de nascimentos no segundo mês do ano ficou com Minas Gerais, com 21.893 novas empresas, (11,4%). Em seguida, o estado com maior número de novas companhias foi o Rio de Janeiro, com 17.115 nascimentos, 8,9% do total.

Para o levantamento do Nascimento de Empresas foi considerada a quantidade mensal de novas empresas registradas nas juntas comerciais de todas as Unidades Federativas do Brasil bem como a apuração mensal dos CNPJs consultados pela primeira vez à base de dados da Serasa Experian. 

Serasa Experian

A Serasa Experian é líder na América Latina em serviços de informações para apoio na tomada de decisões das empresas. No Brasil, é sinônimo de solução para todas as etapas do ciclo de negócios, desde a prospecção até a cobrança, oferecendo às organizações as melhores ferramentas. Com profundo conhecimento do mercado brasileiro, conjuga a força e a tradição do nome Serasa com a liderança mundial da Experian. Criada em 1968, uniu-se à Experian Company em 2007. Responde on-line/real-time a 6 milhões de consultas por dia, auxiliando 500 mil clientes diretos e indiretos a tomar a melhor decisão em qualquer etapa de negócio.

Constantemente orientada para soluções inovadoras, a Serasa Experian vem contribuindo para a transformação do mercado de soluções de informação, com a incorporação contínua dos mais avançados recursos de inteligência e tecnologia.

A Experian é líder mundial em serviços de informação. Nos grandes momentos da vida - desde comprar um carro, passando por mandar seu filho para a faculdade, até a crescer o negócio se conectando com novos clientes - nós empoderamos consumidores e empresas a gerenciarem seus dados com confiança. Nós ajudamos as pessoas a tomarem o controle de suas vidas e acessarem serviços financeiros, os negócios a tomarem decisões mais inteligentes e prosperarem, os credores a emprestarem de forma mais responsável e as organizações a prevenirem fraude de identidade e crime.

Empregamos cerca de 16.000 pessoas em 37 países e a cada dia estamos investindo em novas tecnologias, profissionais talentosos e inovação para ajudar todos os clientes a maximizarem cada oportunidade. A Experian plc está listada na Bolsa de Valores de Londres (EXPN) e compõe o índice FTSE 100.

Com informações da Serasa Experian

 

O Brasil está em guerra. Melhor, o mundo todo está em guerra contra o assassino número um do planeta: o Mycobacterium tuberculosis. Esse vilão mata, aproximadamente, dois milhões de pessoas ao redor do mundo todos os anos. Conhecido também como bacilo de Koch, essa bactéria é responsável pela Tuberculose – uma doença que já matou reis e plebeus. Mas, apesar da fama de maior vilão de todos os tempos, a doença tem um ponto fraco que já foi descoberto pela ciência. Realizando o tratamento adequado e até o final, os medicamentos combinados em comprimidos conseguem destruir a bactéria.Mas, precisamos ter atenção. Porque esse vilão sempre acha um jeito de continuar na história. Quem conta mais detalhes é a coordenadora do Programa Nacional de Controle da Tuberculose, Denise Arakaki.

“A tuberculose tem cura, ela é de diagnóstico fácil. É uma doença curável. Mas, apesar de todos os esforços, é a doença que mais mata no mundo. Ela superou, como agente único, a doença causada por um único agente, ela conseguiu superar número de mortes pelo HIV, pela malária, por todas essas outras doenças. Então, hoje o Mycobacterium tuberculosis é considerado o matador número um do planeta.”

E esse perigo pode atingir qualquer pessoa em qualquer parte. Isso porque o bacilo fica suspenso no ar. e tem uma tática infalível para se manter vivo por gerações e gerações. A doutora Arakaki explica a razão.

“A Tuberculose nunca será erradicada. Por quê? Porque sempre haverá pessoas que tem o bacilo dentro de si. E uma vez que a gente pode ter o bacilo dentro de nós, quando a gente envelhece, quando a gente desenvolve um diabete, quando a gente desenvolve uma doença, uma doença imunossupressora, quando a gente desenvolve um câncer e faz uma terapia imunossupressora, são momentos em que o bacilo se manifesta. Porque a gente sabe que a Tuberculose se aproveita de situações de vulnerabilidade. Então, a Tuberculose sempre existirá. E por isso que a Tuberculose é uma das doenças mais antigas do mundo e ela consegue se manter ao longo da história viável, apesar de todas as mudanças sociais que nós presenciamos, que a gente já viveu, a Tuberculose continua viva.”  

Mas calma! Apesar da quase imortalidade nós temos como derrotar o Mycobacterium Tuberculosis. É só ficar atento aos sintomas: tossiu por mais de três semanas ou está suando demais à noite e perdendo muito peso rápido? Vá para a unidade de saúde mais próxima e peça para fazer o teste da Tuberculose. É gratuito. E se o diagnóstico for positivo, comece o tratamento imediatamente! E, claro, não pule nenhuma etapa. Lembre-se: estamos em guerra contra esse assassino e podemos vencer! Tuberculose tem cura. Todos juntos contra a Tuberculose. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/tuberculose.

 

Com informações Agência do Rádio

está em guerra. Melhor, o mundo todo está em guerra contra o assassino número um do planeta: o Mycobacterium tuberculosis. Esse vilão mata, aproximadamente, dois milhões de pessoas ao redor do mundo todos os anos. Conhecido também como bacilo de Koch, essa bactéria é responsável pela Tuberculose – uma doença que já matou reis e plebeus. Mas, apesar da fama de maior vilão de todos os tempos, a doença tem um ponto fraco que já foi descoberto pela ciência. Realizando o tratamento adequado e até o final, os medicamentos combinados em comprimidos conseguem destruir a bactéria.Mas, precisamos ter atenção. Porque esse vilão sempre acha um jeito de continuar na história. Quem conta mais detalhes é a coordenadora do Programa Nacional de Controle da Tuberculose, Denise Arakaki.

“A tuberculose tem cura, ela é de diagnóstico fácil. É uma doença curável. Mas, apesar de todos os esforços, é a doença que mais mata no mundo. Ela superou, como agente único, a doença causada por um único agente, ela conseguiu superar número de mortes pelo HIV, pela malária, por todas essas outras doenças. Então, hoje o Mycobacterium tuberculosis é considerado o matador número um do planeta.”

E esse perigo pode atingir qualquer pessoa em qualquer parte. Isso porque o bacilo fica suspenso no ar. e tem uma tática infalível para se manter vivo por gerações e gerações. A doutora Arakaki explica a razão.

“A Tuberculose nunca será erradicada. Por quê? Porque sempre haverá pessoas que tem o bacilo dentro de si. E uma vez que a gente pode ter o bacilo dentro de nós, quando a gente envelhece, quando a gente desenvolve um diabete, quando a gente desenvolve uma doença, uma doença imunossupressora, quando a gente desenvolve um câncer e faz uma terapia imunossupressora, são momentos em que o bacilo se manifesta. Porque a gente sabe que a Tuberculose se aproveita de situações de vulnerabilidade. Então, a Tuberculose sempre existirá. E por isso que a Tuberculose é uma das doenças mais antigas do mundo e ela consegue se manter ao longo da história viável, apesar de todas as mudanças sociais que nós presenciamos, que a gente já viveu, a Tuberculose continua viva.”

Mas calma! Apesar da quase imortalidade nós temos como derrotar o Mycobacterium Tuberculosis. É só ficar atento aos sintomas: tossiu por mais de três semanas ou está suando demais à noite e perdendo muito peso rápido? Vá para a unidade de saúde mais próxima e peça para fazer o teste da Tuberculose. É gratuito. E se o diagnóstico for positivo, comece o tratamento imediatamente! E, claro, não pule nenhuma etapa. Lembre-se: estamos em guerra contra esse assassino e podemos vencer! Tuberculose tem cura. Todos juntos contra a Tuberculose. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/tuberculose.

O Banco do Nordeste é a instituição financeira com menor número de registros de reclamações consideradas procedentes no país no primeiro trimestre de 2018. No ranking, elaborado pelo Banco Central, são considerados bancos e financeiras com mais de 4 milhões de clientes.

Segundo Isaias Matos Dantas, ouvidor do BNB, "O resultado traduz esforço contínuo da Banco na melhoria do atendimento ao cliente e no respeito, imparcialidade e rapidez com que são tratadas as reclamações que chegam à Ouvidoria”.

A classificação é formada a partir das demandas registradas pelo público e considera bancos comerciais, múltiplos, cooperativos, de investimento, filiais dos bancos estrangeiros, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento (SCFI) e administradoras de consórcio.

O cálculo é feito a partir das demandas registradas pela internet, correspondência, telefone ou de forma presencial no Banco Central e o índice de cada instituição é calculado com base no número de reclamações consideradas procedentes dividido pela quantidade de clientes da instituição e multiplicado por 1 milhão. No primeiro trimestre, o índice do BNB foi 0,46 (contra 27,62 do banco mais reclamado).

 

Com informação da A.I

Taxas de juros em queda e a retomada do crescimento têm impulsionado a geração de empregos entre as pequenas e médias empresas no Brasil. Das 61,1 mil vagas formais de emprego abertas em fevereiro, os pequenos negócios foram responsáveis por mais de 90% desse total.

Os dados foram levantados pelo Sebrae com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). De acordo com a pesquisa, no primeiro bimestre as micro e pequenas empresas foram responsáveis por gerar 142,9 mil empregos formais, de um saldo de 143,1 mil vagas abertas no Brasil.

A maioria dos setores econômicos abriu vagas em fevereiro, em especial o setor de serviços – um importante termômetro para medir a retomada da economia. Nesse setor, foram abertas 65,9 mil vagas em todo o País, sendo 46 mil empregos gerados exclusivamente pelos pequenos negócios.

Para o economista da Fecomércio-DF, José Eustáquio Moreira, o setor de serviços não só deve continuar crescendo este ano como pode ser responsável por abrir um expressivo número de vagas no País. “O setor de serviços é o que mais vai crescer. Esse é um grande gerador de empregos”, apontou.

Segundo ele, com a retomada do poder de compra das pessoas diante da queda inflação, a demanda por serviços cresce, o que impulsiona a necessidade de contratação de pessoal. “As pessoas estão começando a utilizar serviços que haviam reduzido com a crise. Uma das coisas que se prevê é a retomada de demanda por serviços de estética, restaurantes e turismo”, ressaltou.

Fonte: Governo do Brasil, com informações do Sebrae e Caged

Com o fim da recessão, empresas brasileiras passaram finalmente a sentir no dia a dia os reflexos de um Brasil em retomada. A queda dos juros e a volta da demanda por crédito abriram espaço para mais investimentos e, mais importante, a continuidade dos negócios.

Dados com abrangência nacional da Boa Vista Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) mostram que o número de pedidos de falência de empresas caiu 22,6% no primeiro trimestre deste ano na comparação ao mesmo período do ano passado.

Esse resultado aponta para uma tendência de queda nos pedidos de falência e recuperação judicial, em meio à retomada da economia que vem mais forte que o antecipado pelo mercado financeiro. As empresas passam a ter mais condições de honrar compromissos e superar momentos de insolvência.

"Com a retomada econômica e o fim da recessão, tornou-se possível às companhias negociações mais produtivas em casos de insolvência", aponta Felsberg

Um dos mais respeitados advogados na área de recuperação judicial, Thomas Felsberg atribui esse resultado ao fim da recessão. Segundo ele, as empresas endividadas ganharam mais fôlego com o crescimento econômico e conseguiram colocar as contas em dia.

“Por isso, hoje, o panorama é diferente do que era quando a recessão estava a todo vapor. Não há somente uma percepção de melhora. Houve, de fato, uma melhora. Essa retomada econômica animou muitas empresas, e isso encoraja devedores e credores a encontrarem soluções construtivas”, afirma Felsberg.

Tudo indica que redução nas falências deve continuar diante de um cenário econômico positivo: no acumulado do ano a queda esses pedidos foi de 18,2%.

Refis
Ao mesmo tempo, o jurista aponta que programas como o Refis, que permite a redução de dívidas tributárias e multas junto à Receita Federal, também ajudaram a melhorar o cenário para as empresas. “Companhias fortes que estavam com uma situação financeiramente complicada ganharam fôlego, principalmente por que conseguiram equacionar as suas dívidas de curto prazo”, aponta.

Fonte: Governo do Brasil, com informações da Agência Brasil e da Boa Vista Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC)

Os primeiros municípios selecionados para receber o Cartão Reforma em 2018 foram divulgados nesta segunda-feira (16) pelo Ministério das Cidades. Serão destinados R$ 178,5 milhões para reforma, expansão ou conclusão dos lares em bairros selecionados pelas prefeituras.

Neste edital, foram contempladas localidades em 22 estados das cinco regiões: Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins.

O que é
O Cartão Reforma é concedido a moradores de determinados bairros definidos pela prefeitura para reforma das residências. A prioridade é atender famílias de renda mais baixa, com renda bruta de até R$ 2.811 e que só possuem um imóvel. Uma vez cadastrada, a família poderá receber de R$ 2 mil a R$ 9 mil para comprar materiais de construção em lojas credenciadas pelo programa.

A verba pode ser utilizada, por exemplo, para a construção de quarto ou banheiro, substituição de telhado, obras de saneamento e energia, finalização de reboco ou pintura, entre outros. O beneficiário fica responsável, porém, pelo custeio da mão de obra e de equipamentos. A residência do beneficiado deve estar em área regularizada.

Fontes: Governo do Brasil, com informações do Ministério das Cidades e da Caixa Econômica Federal

Página 10 de 12