MAIS LIDAS AGORA:
Segunda, 30 Abril 2018 11:57

Cartão não poderá ter taxa extra do rotativo

Escrito por

O Conselho Monetário Nacional proibiu os bancos de cobrarem a chamada taxa punitiva dos clientes que não pagavam o mínimo de 15% da fatura do cartão de crédito rotativo, o que tende a reduzir juros da modalidade. Quando o cliente não pagava esse percentual mínimo, passava a se enquadrar na categoria não regular, ou seja, ficava sujeito a taxas de juros muito mais elevadas.

Em março, segundo o Banco Central, a taxa do cliente regular foi de 243,5% ao ano, e a do não regular, de 397,6%. A diferença entre quem paga esse mínimo da fatura e quem não paga chega a 154 pontos percentuais. A partir de 1º de junho, esses juros adicionais punitivos estabelecidos pelos bancos, também conhecidos como comissão de permanência, não poderão mais ser cobrados, segundo decidiu o CMN.

O desemprego cresceu no país no primeiro trimestre desse ano. O número de pessoas sem ocupação ficou em 13,7 milhões, no trimestre móvel de janeiro a março de 2018, número 11,2% maior que o registrado entre outubro e dezembro de 2017, quando 12,3 milhões de trabalhadores estavam desocupados.

Comparando, no entanto, com o mesmo período do ano anterior, o desprego recuou 3,4% (eram, à época, 14,2 milhões de brasileiros). Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A força de trabalho (pessoas ocupadas e desocupadas), de acordo com a Pnad Contínua, entre janeiro a março de 2018, foi estimada em 104,3 milhões de pessoas, estável quando comparada com o trimestre de outubro a dezembro de 2017, mas com expansão de 1,1% frente ao mesmo trimestre do ano anterior (mais 1,1 milhão de pessoas). O pessoal fora da força de trabalho, esse ano, é de 64,9 milhões de pessoas, semelhante ao trimestre de outubro a dezembro de 2017 e ao mesmo trimestre do ano anterior.

As previsões para a inflação e crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 se mantiveram estáveis, segundo os economistas do mercado financeiro. Para este ano, os analistas esperam que inflação fica em torno de 3,49% e crescimento do PIB de 2,75%. A previsão está no relatório de mercado, também conhecido como "Focus", feito com base em pesquisa realizada na semana passada pelo BC com mais de 100 instituições financeiras. Os números foram divulgados nesta segunda-feira, 30.

A expectativa dos analistas para a inflação está abaixo da meta central de 4,5% que deve ser perseguida pelo Banco Central neste ano. Mesmo assim, o número está dentro do intervalo de tolerância previsto pelo sistema, que considera que a meta terá sido cumprida pelo BC se o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficar entre 3% e 6%.

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic). Para 2019, o mercado financeiro elevou sua expectativa de inflação 4,03%. Já a expectativa de crescimento do PIB em 2019 foi mantida em 3%.

Taxa básica de juros

Os analistas do mercado também mantiveram a previsão para a taxa básica de juros da economia, a Selic, em 6,5% ao ano para o final de 2018. Para o fim de 2019, a estimativa do mercado financeiro para os juros básicos da economia continuou em 8% ao ano. Deste modo, os analistas seguem estimando alta dos juros no ano que vem.

Câmbio, balança e investimentos

Na edição desta semana do relatório Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2018 aumentou de R$ 3,33 por dólar para R$ 3,35. Para o fechamento de 2019, subiu para R$ 3,37 por dólar.

A projeção do boletim Focus para o resultado da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), em 2018, subiu de US$ 55 bilhões para US$ 56,1 bilhões de resultado positivo.

Para o ano que vem, a estimativa dos especialistas do mercado para o superávit apresentou um leve recuo de US$ 45,33 bilhões para US$ 45 bilhões. A previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2018, caiu para US$ 75 bilhões. Para 2019, a estimativa dos analistas ficou estável também em US$ 80 bilhões.

Com informações G1

Termina nesta segunda-feira (30) o prazo para declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). Até ontem (28), cerca de 4,9 milhões de contribuintes ainda não haviam acertado as contas com o Fisco. O prazo para entrega da declaração começou em 1º de março e vai até as 23h59 de amanhã (30).

Está obrigado a declarar quem recebeu rendimentos tributáveis, em 2017, em valores superiores a R$ 28.559,70. No caso da atividade rural, deve declarar quem teve receita bruta acima R$ 142.798,50. A multa para quem apresentar a declaração depois do prazo é de 1% por mês de atraso, com valor mínimo de R$ 165,74 e máximo de 20% sobre o imposto devido.

O programa de preenchimento da declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física de 2018, ano base 2017, está disponível no site da Receita Federal.

A estimativa é que sejam enviadas 28,8 milhões de declarações até o fim do prazo. Confira um passo a passo com as principais orientações sobre como preencher e enviar a declaração do IRPF, bem como os documentos necessários.

Com Agência Brasil

O 14ª  Feirão da Casa Própria promovido pela Caixa Econômica Federal vai oferecer 202 mil imóveis novos e usados entre os dias 4 e 27 de maio em 15 cidades brasileiras,incluindo Fortaleza. No ano passado, a oferta foi de 230 mil unidades. A expectativa é que a feira movimente R$ 15 bilhões.

São mais de 1.100 parceiros, que estarão mobiizados em três finais de semana, entre os dias 04 e 27 de maio. No dia 4 as vendas acontecerão nas cidades de: de Porto Alegre (RS), Salvador (BA) e São Paulo (SP). No período de 18 a 20 de maio, o Feirão será realizado nas cidades de Belo Horizonte (MG), Goiânia (GO), Rio de Janeiro (RJ), São Luís (MA) e Uberlândia (MG). No fim de semana seguinte, de 25 a 27 de maio, encerra seu calendário com atividades em Brasília (DF), Belém (PA), Campinas (SP), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE) e Recife (PE).

A Caixa reduziu e até 1,25% as taxas de juros do crédito imobiliário utilizando recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo. O banco também anunciou o aumento de 50% para 70% da cota de financiamento de imóvel usado. Esse corte deve gerar uma economia de 15,6% no financiamento de um imóvel de R$ 500 mil, com prazo de 30 anos para quitação. Em gastos totais, a redução é de quase R$ 78 mil reais, saindo de R$ 1.113,2 milhão, quando valia a taxa antiga de 10,25%, para R$ 1.035 milhão, agora com juros a partir de 9%.

 

O Ministério da Saúde quer imunizar cerca de 115 mil índios que vivem aldeados em regiões de todo o país – sobretudo em áreas de difícil acesso e com baixas coberturas vacinais. Até 20 de maio, serão oferecidas todas as doses previstas no Calendário Nacional de Vacinação dos Povos Indígenas.

A campanha de multivacinação faz parte da Semana Mundial de Vacinação, promovida pela Organização Mundial da Saúde, e abrange 1.012 comunidades e 138 etnias indígenas. Participam da ação mais de 2 mil profissionais que compõem equipes multidisciplinares de saúde indígena, inclusive agentes indígenas de saúde e de saneamento.

Índios que participam do Acampamento Terra Livre (ATL) fazem manifestação em frente ao STF. O ato tem como objetivo defender o efetivo respeito aos direitos indígenas (Valter Campanato/Agência Brasil)
A campanha de multivacinação faz parte da Semana Mundial de Vacinação, promovida pela Organização Mundial da Saúde, e abrange 1.012 comunidades e 138 etnias indígenas (Valter Campanato/Arquivo/Agência Brasil)
Reunião

De acordo com o ministério, em março, profissionais dos 34 distritos sanitários especiais indígenas se reuniram em Brasília para avaliar as ações realizadas em 2017. Também foi feito um planejamento de atividades para a edição 2018, com o objetivo de aprimorar as ações de imunização e a vigilância epidemiológica em áreas indígenas.

“É uma ação complexa por diversos fatores: como a diversidade cultural, dispersão geográfica, rotatividade dos recursos humanos contratados, dificuldade na coleta, registro e análise dos dados e a necessidade de acondicionamento, conservação e transporte dos imunobiológicos em condições especiais”, informou o ministério.

A Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) assinaram, esta semana, um acordo de cooperação técnica para condução conjunta das avaliações genéticas genômicas nacionais dos zebuínos. O anúncio representa uma perspectiva para o melhoramento genético das raças, predominantes na pecuária brasileira.

A primeira etapa do processo vai contar com apoio do governo federal: a genotipagem de milhares de animais que formarão a população de referência. A partir dessa população de referência será possível produzir DEPs genômicas (uma ferramenta tecnológica de seleção genômica) que beneficiarão direta ou indiretamente todos os criadores.

O grupo acredita que esta ação será capaz de mobilizar os criadores a investirem na genotipagem, uma vez que os benefícios só serão efetivos se os novos animais continuarem a ser genotipados e fenotipados. As amostras biológicas (pelos da vassoura da cauda) já começaram a ser colhidas e serão enviadas aos laboratórios para extração e leitura de DNA. A meta é incorporar as informações genômicas na avaliação genética nacional das raças zebuínas, que será conduzida pelas duas entidades, ainda este ano de 2018.

Henrique Ventura, Superintendente Adjunto de Melhoramento Genético da ABCZ, destaca que o impacto da parceria será significativo. “Os selecionadores e compradores de genética poderão tomar suas decisões lastreadas em avaliações genéticas produzidas por duas entidades representativas da pecuária nacional e que têm como missão contribuir para o aumento sustentável da produção de alimentos no Brasil e no mundo.”

Com Informações do Governo do Brasil

Maio será o mês de 2018 que deve favorecer o maior número de viagens de brasileiros pelo país. Segundo estimativas do Ministério do Turismo, o período que se inicia semana que vem será o mais lucrativo nesse quesito, injetando R$ 9 bilhões na economia brasileira durante as cerca de 4,5 milhões de viagens.

O motivo são os dois feriados que ocorrem no início e no fim do mês. Para abrir o ciclo, será comemorado o Dia do Trabalhador na próxima terça-feira (1º). A possibilidade de os brasileiros enforcarem a segunda-feira (30) e transformarem a data em um feriadão foi levada em conta na pesquisa.


Para o ministro Vinicius Lummertz, as datas incentivam os turitas a conhecerem o Brasil - Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Quatro semanas depois, para fechar a expectativa de longas viagens, será a vez do feriado de Corpus Christi (31 de maio), que sempre cai numa quinta-feira.

O levantamento foi feito em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e indica que o número de viagens em maio deve superar as que serão feitas durante novembro, quando também haverá dois feriados prolongados (Finados e Proclamação da República).

De acordo com o ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, as datas são importantes para incentivar os turistas a conhecerem novos destinos dentro do Brasil e favorecer a economia local. “O valor que será arrecadado comprova que as datas devem ser aproveitadas para ampliar o faturamento no turismo e impactar outras áreas de comércio como transportes e alimentação”, afirmou.

Com Agência Brasil

Sábado, 28 Abril 2018 06:53

Temer prorroga prazo do Refis do Funrural

Escrito por

O presidente Michel Temer assinou hoje (27) medida provisória (MP) prorrogando para 30 de maio o prazo de adesão ao Programa de Regularização Tributária Rural. O programa visa renegociar dívidas com o Fundo de Assistência do Trabalhador Rural (Funrural). A MP será publicada na próxima segunda-feira (30), quando se encerraria o prazo para adesão.

Criado em meio a um impasse judicial quanto à legalidade da cobrança do Funrural, o programa prevê o pagamento imediato de uma alíquota de 2,5% do valor da dívida em até duas parcelas iguais, mensais e sucessivas. O restante do débito poderá ser parcelado em até 176 vezes, com mais 60 meses para quitação total, caso o montante ainda não tenha sido liquidado.

Com Agência Brasil

Página 6 de 12