Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A 13ª Semana Nacional da Conciliação foi aberta nessa segunda-feira, 5, no Fórum Clóvis Beviláqua (FCB). A mobilização, que prossegue até a próxima sexta, 9, já conta com cerca de 14.100 mil audiências agendadas em todo o Estado. A expectativa é superar a marca de 15 mil audiências até o fim da semana.

Além disso, o Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) conta com 579 mediadores e conciliadores formados (destes, 159 foram somente este ano) e 36 Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) instalados, e ainda nove extensões destes (quatro na Capital e cinco no Interior). Os dados foram apresentados, na ocasião, pelo Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos do TJCE.

O vice-presidente do TJCE, Washington Luis Bezerra de Araújo, ressaltou que o Ceará tem sido primeiro colocado em conciliações e que a Semana Nacional da Conciliação tem ajudado a reduzir o número de processos. “Nessa iniciativa, o Nupemec tem papel fundamental para reduzir o volume de processos no Estado”, observou.

A desembargadora Tereze Neumann Duarte Chaves, supervisora do Nupemec, enfatizou que “nos últimos dois anos, o tema da conciliação sofreu uma espetacular ascensão dentro do Judiciário”. Para a magistrada, a conciliação transmitiu para a sociedade autonomia. “Só por ter feito isso ela já é uma política extraordinária”, frisou.

“A cada dia mais os métodos autocompositivos estão presentes na nossa vida, inclusive, atualmente, fazem parte do nosso ordenamento jurídico”, lembrou a coordenadora do Cejusc de Fortaleza, Jovina d’Ávila Bordoni. Para ela, as ações desenvolvidas na Semana especialmente (até porque o esforço é feito no ano inteiro) são para “divulgar cada dia mais esses métodos autocompositivos e trazer para sociedade essa possibilidade, que ela própria tem, de resolver os seus conflitos”.

Em 2017, o Judiciário cearense alcançou 4.671 acordos, representando 33,28% das 14.033 audiências promovidas durante cinco dias (27 de novembro a 1º de dezembro). Também participaram da solenidade o diretor do Fórum, juiz José Ricardo Vidal Patrocínio, o coordenador do Nupemec, juiz Sérgio Luiz Arruda Parente; o procurador-geral de Justiça do Ceará, Plácido Barroso Rios; e a defensora pública Natali Pontes, além de magistrados e servidores. O evento ainda contou com a apresentação do Coral do TJCE.

Programação

As extensões do Cejusc da Capital terão programação alusiva à Semana Nacional de Conciliação. Confira!
Centro Universitário Farias Brito.

– Atendimento jurídico gratuito de segunda a sexta de 8h as 18h (rua Osório Palmella, 270 – Varjota);
– Ciclo de palestras informativas no dia 07/11, das 14h às 16h, no Recanto Psicopedagógico (rua Ari Barroso, 55 – Papicu);

Defensoria Pública

– Círculo de Construção de Paz no dia 9/11, às 8h (rua Nelson Studart, S/N, Eng. Luciano Cavalcante);

Unifor

– Orientações Jurídicas durante toda a semana, no horário das 7h30 às 19h, com exceção da sexta-feira, cujo horário de encerramento será às 17h.

Líder em conciliação

O Judiciário cearense é o primeiro em número de conciliação do Brasil entre as Cortes estaduais pelo segundo ano consecutivo. Em 2017, o TJCE alcançou índice de 21,1% de conciliações, conforme o relatório “Justiça em Números” do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), divulgado em agosto último. Em 2016, também liderou o ranking com índice de 25%, o que representa 62.601 acordos do total de 250.682 sentenças.

Como conciliar

As inscrições para o mutirão se encerraram no último dia 1º, mas o serviço fica disponível após a mobilização. Os interessados podem fazer agendamento por meio da ferramenta “Quero Conciliar”, disponível no site do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE). Qualquer pessoa que tenha uma demanda no Judiciário pode utilizar o sistema para tentar solucionar seu problema.

Quem tem conflitos ainda não judicializados, pode tentar uma conciliação pré-processual. Para quem ainda não tem processo ajuizado, a orientação é ir a uma das extensões dos Cejuscs, localizadas na Capital e do Interior. Nesses locais as pessoas recebem as instruções para agendar uma audiência no período da mobilização.

Com informações da Assessoria de Imprensa do TJCE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp