Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio da Promotoria de Justiça de Barreira, ajuizou, na última terça-feira (18/08), uma Ação Civil Pública (ACP) pedindo a condenação do Município a fim de obrigá-lo a construir um aterro sanitário na cidade. A Ação do MPCE requer também que o Município desative todos os lixões existentes nos limites da cidade.

A Promotoria de Justiça de Barreira solicitou, dentre outras coisas, que o Município: recupere as áreas degradadas e atingidas pela poluição decorrente do lançamento de resíduos a céu aberto; monitore o aquífero subterrâneo da cidade, por um período mínimo de doze meses, após o encerramento das atividades de recomposição da área; e destine, no projeto de construção do aterro sanitário, área para armazenamento dos resíduos dos serviços de saúde.

Na ACP, o MPCE reforça que instaurou Procedimento Administrativo, no ano de 2013, para investigar de degradação ao meio ambiente ocasionada pelo depósito e queima de resíduos sólidos em um lixão a céu aberto no Município, especialmente nas proximidades da Lagoa do Meio. A Promotoria de Justiça de Barreira recebeu a informação da existência de um projeto de formação de um consórcio de municípios do Maciço de Baturité para a construção de um aterro sanitário que atendesse as cidades da região, no entanto, a obra não foi sequer iniciada.

Com base na omissão do Município, o que, segundo a Promotoria de Barreira, causou grande dano ao meio ambiente local, verificou-se “total desrespeito ao Meio Ambiente, à Saúde Pública e até ao cidadão destinatário dos serviços de coleta de lixo urbano, que não vê qualquer retorno às contribuições recolhidas ao município para que este zele efetivamente pelo bem estar social”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp