Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O presidente interino do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Gilvandro Araújo, apresentou hoje (18), durante sessão de julgamento, o balanço das atividades do órgão em 2016. No período, foram negociados 61 Termos de Compromisso de Cessação (TCCs) em processos que investigam infrações à ordem econômica. Desses, 54 foram homologados pelo Tribunal Administrativo.

Em 2016, o Cade recolheu R$ 700,3 milhões ao Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD), do Ministério da Justiça. Trata-se do maior valor anual recolhido pelo órgão ao fundo. Do total, 93% correspondem a contribuições pecuniárias acordadas por meio de TCCs. O montante ainda engloba arrecadação com multas, acordos judiciais e Acordos em Controle de Concentrações. Em 2015, o Cade recolheu R$ 524 milhões ao FDD e, em 2014, R$ 169 milhões.

Os TCCs são firmados entre o Cade e a parte investigada por suposta prática anticompetitiva, determinando o fim da conduta e de seus efeitos lesivos à concorrência e ao consumidor. Os termos também são ferramentas importantes para obtenção de provas, que podem ser decisivas em investigações de processos administrativos e para resolução efetiva de casos.

Contribuições

Desde a adoção, em 2013, de novas regras para o programa de negociação desses acordos, o Cade tem intensificado esforços para aprimorar a política no órgão. O empenho da autarquia é demonstrado no aumento de acordos homologados ao longo dos anos.

Em 2012, o Cade celebrou cinco termos desse tipo. No ano seguinte, o número saltou para 53, sendo que 42 deles foram firmados com a Unimed em uma mesma sessão de julgamento para encerrar casos de exigência de exclusividade na prestação de serviços médicos (unimilitância). Em 2014 e 2015, foram homologados 36 e 58 termos de cessação, respectivamente.

Por meio desse instrumento, o Cade também determina o pagamento de contribuições pecuniárias. O valor total de contribuições fixadas pelo Cade por meio dos TCCs firmados em 2016 alcançou R$ 726,2 milhões.

Laranjas

Os destaques do ano passado foram os sete acordos de cessação firmados para encerrar o processo mais antigo em curso no Cade, que apurava formação de cartel no mercado nacional de compra de laranjas por parte de empresas processadoras de suco de laranja concentrado congelado. A investigação teve início em 1999 e foi alvo de diferentes questionamentos judiciais. Esses TCCs geraram contribuição pecuniária superior a R$ 300 milhões.

Também foi destaque em 2016 os cinco TCCs firmados no caso que investiga cartel no mercado de câmbio no exterior (offshore), envolvendo o real e moedas estrangeiras, além de manipulação de índices de referência de mercado de câmbio. No total, foram aplicados R$ 183,5 milhões a título de contribuição pecuniária.

Acordos de leniência

Em 2016 também foram registrados recordes em relação às leniências firmadas com a superintendência-geral do Cade. Foram celebrados 11 acordos desse tipo – no ano anterior foram 10. Desse total, cinco são relativos a investigações de ocorrência de cartel no âmbito da Operação Lava Jato.

Houve ainda um aumento de 510% na quantidade de propostas de acordo de leniência junto ao Cade em relação a 2015.

Além disso, destaca-se que em 90% dos casos de leniências negociadas em 2016 houve posterior propositura de Termos de Compromisso de Cessação por empresas apontadas como participantes do conluio.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp