Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por meios naturais, casais homoafetivos não conseguem gerar filhos. No entanto, os casais que optam por outros métodos para gerar crianças podem enfrentar dificuldades para registrá-las. A advogada Ana Zélia Cavalcante, em seu comentário no quadro Direito de Família do Jornal Alerta Geral desta terça-feira (20), informou que é possível abrir uma ação na Justiça para que se consiga realizar o registro de crianças geradas por reprodução assistida.

De acordo com o Enunciado 12 do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM), como destaca Ana Zélia, “é possível o registro de nascimento dos filhos de casais homoafetivos, havidos de reprodução assistida, diretamente no cartório de Registro Civil.”

Para a compreensão desse enunciado, a advogada explica que é necessário esclarecer que casal homoafetivo é aquele composto por 2 pessoas do mesmo sexo. Reprodução assistida é a reprodução in vitro, a chamada reprodução de bebês de proveta. Casais homoafetivos masculinos devem buscar um Banco de Ovodoação para realizar o procedimento, já casais homoafetivos femininos devem buscar um Banco de Sêmen.

Há também a opção de Bancos de Doação, encontrados no Brasil ou no exterior. Caso haja a opção do casal por buscar o material genético fora do país, todo o procedimento da inseminação, gestação e nascimento devem ocorrer no país do doador, já que é ilegal importar material genético.

Curiosidades:
• No Brasil é proibido cobrar pelo empréstimo do útero, prática conhecida por “barriga de aluguel”;
• Gravidez por substituição ou gravidez solidária – um familiar de até quarto grau do casal empresta seu útero para gestar o embrião (primos)
• Parentes ou amigos próximos não podem se oferecer como doadores de esperma;
• A doação no Brasil é anônima, sendo sigilosa a identificação do(a) doador(a).

Após ser gerado e ter nascido o filho, deve ser feito seu registro de nascimento. O CNJ autoriza o registro de nascimento dos filhos concebidos por reprodução assistida.

Para realizar o registro:

1. os pais devem procurar o Cartório de Registro Civil e comprovar o uso da técnica “procriativa” realizada (o tipo de procedimento realizado pela clínica médica especializada);
2. é necessário que os dois genitores tenham participado do processo de fertilização e firmado o termo de consentimento informado (Provimento 52/2016 do CNJ).