Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A defesa do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) apresentou nessa terça-feira recurso no Supremo Tribunal Federal contra decisão que o afastou do mandato após abertura de inquérito para investigá-lo por corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa.

A investigação foi autorizada pelo ministro relator da Lava Jato, Luiz Edson Fachin, após delação dos donos do frigorífico JBS, Joesley e Wesley Batista na operação. O ministro determinou ainda o afastamento de Aécio do mandato de senador.

Fachin também apreendeu o passaporte de Aécio e o proibiu de ter contato com outros investigados. O ministro negou o pedido da Procuradoria-Geral da República para prender Aécio. A PGR recorreu da decisão.

Os advogados consideram que não há conexão do que é investigado neste inquérito com os fatos atribuídos ao senador na Lava Jato e, por isso, Fachin não seria o juiz natural do caso. A defesa pede que o caso seja redistribuído para um novo relator.

A defesa de Aécio afirma que a conversa com Joesley foi “única e exclusivamente de uma relação entre pessoas privadas, em que o senador solicitou apoio para cobrir custos de sua defesa, já que não dispunha de recursos para tal”.