Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Cerca de 64.300 casos de sífilis adquirida foram registrados no Brasil somente no primeiro semestre de 2021, segundo dados atualizados do Ministério da Saúde. O número é 16 vezes maior do que em todo o ano de 2010, quando 3.936 pessoas foram diagnosticadas com a doença. A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível e pode ser passada para o bebê durante a gestação ou parto.

Quando há a infecção, vários sintomas podem surgir, incluindo manchas no corpo e feridas no local de entrada da bactéria que podem desaparecer sozinhas, o que dificulta o diagnóstico. Os homens representam mais de 62% dos casos de disseminação da bactéria. 

O Sudeste representa cerca de 45% dos casos. Em seguida, aparecem o Sul, com 22%, o Nordeste com 16,5%, o Norte com 8% e, por último, o Centro-Oeste com 7%. Somente nos seis primeiros meses deste ano, quase 11 mil crianças menores de um ano de idade tiveram sífilis congênita, ou seja, quando é transmitida pela mãe. Quase todas elas receberam o diagnóstico positivo para a doença com até uma semana de vida. As mães podem ter diversas complicações sérias por causa da sífilis, como aborto espontâneo, parto prematuro e o feto ainda pode sofrer com malformação ou cegueira.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp