Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Com a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por 3 a 0 no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) nessa quarta-feira, 24, deve trazer mais percalços para os planos eleitorais do PT neste ano de 2018. O partido terá que lidar com o afastamento de aliados históricos, como o PCdoB, que tendem a optar por candidaturas próprias em vez de esperar como a situação jurídica de Lula vai se resolver. Além disso, a legenda terá que enfrentar o risco de Lula ter a prisão decretada mais cedo do que o esperado, já que a decisão unânime dos desembargadores reduz o número de recursos a que a defesa terá direito na segunda instância.

Enquanto a sigla mantém, oficialmente, o discurso de que Lula será o candidato petista à Presidência da República, dirigentes que antes nem aceitavam falar sobre o risco de o ex-presidente ir parar a cadeia, já reconheciam, no fim da tarde da última quarta-feira, que essa hipótese passou a ser real.

Mesmo diante do cenário mais adverso, o PT reafirmará nesta quinta-feira, numa reunião em São Paulo com a presença de suas principais lideranças, a candidatura de Lula. Também será anunciado um calendário de debates sobre o programa de governo a ser adotado pelo petista na disputa. O objetivo é tentar dar ares de normalidade para o processo, apesar do resultado adverso do julgamento de Porto Alegre.

Dentro dessa linha, o ex-presidente quer manter as caravanas e pretende iniciar um novo giro pelo próprio Rio Grande do Sul, no final de fevereiro. A cidade escolhida para a abrir a nova caravana é São Borja, terra de Getúlio Vargas no interior do estado.

Mesmo com a condenação de ontem, o plano de levar a candidatura de Lula até as últimas consequências, por enquanto, ainda não sofreu abalos dentro da legenda. Integrantes de diferentes correntes internas têm defendido essa estratégia. Crítico do grupo que comanda a legenda, o ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro defende que o PT “esgote todas as possibilidades políticas e jurídicas”.

O partido também deve apostar no enfrentamento político da Lava-Jato. Em nota intitulada “Não nos rendemos diante da injustiça. Lula é candidato”, o PT afirma que o julgamento de Lula foi uma “farsa judicial”, com “votos claramente combinados dos três desembargadores”. O partido afirma que a condenação do ex-presidente confirma o “engajamento político-partidário de setores do sistema judicial, orquestrado pela Rede Globo, com o objetivo de tirar Lula do processo eleitoral”. Em nota, o Grupo Globo afirmou que “a menção à Rede Globo na nota do Partido dos Trabalhadores merece só uma resposta: é desrespeitosa, despropositada e fora da realidade. “Na noite de quarta-feira, Lula discursou para manifestantes na Praça da República, em São Paulo. Ele se comparou a Tiradentes e ao ex-presidente sul-africano Nelson Mandela para atribuir a confirmação de sua condenação por corrupção na Lava-Jato ao descontentamento de parcela da sociedade com conquistas sociais de seu governo.

Dizendo que não esperava outro posicionamento dos desembargadores do TRF-4 e que sua sentença era resultado de “mentiras”, ele defendeu a união das esquerdas nas eleições de outubro e voltou a afirmar que quer ser candidato a um terceiro mandato.

Com informação do Jornal O Globo