Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Em virtude do alto índice de acidentes registrados no cruzamento das avenidas Abolição com Desembargador Moreira, a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) está implantando um projeto de circulação viária que inclui nova sinalização e readequação das faixas de tráfego para aumentar a segurança de quem costuma trafegar pelo trecho.
Uma marca de canalização, que separa e ordena o fluxo, foi implantada para evitar os conflitos veiculares neste cruzamento. Como parte do projeto, o órgão também  readequou a faixa exclusiva de ônibus existente na Av. Abolição. “No quarteirão que compreende as avenidas Oswaldo Cruz e Desembargador Moreira não haverá mais faixa exclusiva. Portanto, os coletivos que tiverem que seguir pela própria Abolição em direção ao Mucuripe devem migrar da faixa da direita para a faixa central”, explica o superintendente da AMC, Arcelino Lima.
Tais medidas foram avaliadas tecnicamente e apontadas como alternativa para promover deslocamentos mais seguros na região. “Registrávamos muita colisão. Era um ponto de conflito entre os ônibus, que circulavam pela faixa da direita e precisavam continuar pela própria Av. Abolição em direção ao Mucuripe, e dos demais veículos, que vinham pela faixa da esquerda e do meio e desejavam seguir em frente na Rua Antônio Justa ou dobrar à direita na Av. Desembargador  Moreira”, reforça.
A marca de canalização, conhecida popularmente como zebrado, é justamente para quem está na faixa da direita não conseguir ir para a Av. Abolição, forçando o condutor a seguir direto pela Rua Antônio Justa ou fazer a conversão à direita na Av. Desembargador Moreira.
Como se trata de uma medida recente e ainda em conclusão, os motoristas estão sendo auxiliados  nos primeiros dias por agentes de trânsito e orientadores de tráfego do Via Livre. Não haverá multa enquanto os condutores não estiverem habituados com a intervenção.
Segundo dados da AMC, somente neste ano aconteceram 19 acidentes no referido cruzamento. No ano passado esse número chegou a 48. Com esse projeto, a expectativa é que o número zere e as pessoas possam se deslocar com mais segurança.
Com informação da A.I