Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Este ano é marcado por mais um período de eleições, desta vez para a escolha de lideranças municipais, prefeitos e vereadores. Mas, mesmo sem o pleito de 2020 ter acontecido, as discussões em torno das eleições de 2022 já começam. A antecipação do debate sobre o sucessor do atual presidente Jair Bolsonaro, se deve a saída do agora ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, que começa a ser cogitado como possível sucessor de Bolsonaro. O assunto ganhou destaque no Bate Papo Político do Jornal Alerta Geral desta segunda-feira (27).

Moro anunciou a entrega do cargo em uma entrevista coletiva realizada na última sexta-feira (24), após discursar sobre a atuação no Ministério e se queixar sobre a falta de autonomia da Polícia Federal. A saída aconteceu após Sérgio Moro alegar que não poderia aceitar pressões políticas para mudar o diretor geral e superintendentes regionais da Polícia Federal.

+ Moro sai, Bolsonaro perde um dos sustentáculos do Governo e Estado do Ceará fica sem um bom interlocutor

Antes mesmo de iniciar sua atuação como Ministro da Justiça no atual governo, Moro já era conhecido pela nação por ter liderado a Operação Lava Jato que prendeu nomes expressivo da política, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ex-governadores, parlamentares, ex-ministros e empresários envolvidos com corrupção. A popularidade do ex-ministro faz com que surjam especulações sobre a possibilidade de Moro ser um candidato a presidência em 2022.

Mesmo em meio ao enfrentamento da pandemia causada pelo novo coronavírus e, diante disso, o debate sobre o possível adiamento das eleições deste ano, o jornalista Luzenor de Oliveira remete a antecipação do debate sobre o pleito de 2022 ao tumulto que ocorre atualmente no cenário político nacional. Para o jornalista Beto Almeida a saída do então ministro Sérgio Moro não apenas indica um agravamento na crise política no pais, como também coloca “as cartas na mesa para a disputa presidencial de 2022”.

Beto ainda acrescenta que a renúncia de Moro colocou o governo em uma situação delicada e abriu caminho para um processo de impeachment, do qual ainda não se tem muito clareza, e assim se estabelece uma “pandemia política” para 2022. O desafio para Sérgio Moro, de acordo com Beto, é se manter nos holofotes até a chegada do pleito de 2022. Enquanto isso, o desafio de Bolsonaro é de se reinventar e chegar até as próximas eleições com condições de se reeleger.

Confira os comentários dos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida no Bate Papo Político:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp