Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O impasse no envio de recursos do governo federal para o estado do Ceará a fim de viabilizar o prosseguimento das obras do Cinturão das Águas tornou-se preocupação para os deputados cearenses. O tema entrou na pauta do Jornal Alerta Geral (Expresso FM 104.3 + 26 emissoras no interior + Redes Sociais do Ceará Agora) desta sexta-feira (09).

Recentemente, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, garantiu que as águas do Eixo Norte da Transposição começarão a ser bombeadas até o reservatório de Jati, no Ceará, no dia 30 deste mês. Dentro do Bate-Papo o jornalista Beto Almeida pontua que esse anúncio do ministro cria falsas expectativas:

“Não adianta fazer esse discurso otimista, porque não chega. Se começar no dia 30 de agosto, daqui que esteja em total capacidade de fazer a transmissão das águas, isso é pra 2020. O governo deixa subliminarmente que “começou o bombeamento, em pouco tempo a água vai estar aqui”, e não é assim. 

No plenário da Assembleia Legislativa, o presidente da Comissão Especial que acompanha o andamento das obras, deputado Guilherme Landim (PDT), afirmou que o processo deve ser demorado, pois passa primeiro pelo enchimento das barragens para em seguida chegar a Jati por volta de fevereiro e depois no Cinturão das Águas no mês de abril, “se tudo ocorrer com perfeição”, pontua o parlamentar.

Para o jornalista Luzenor de Oliveira, é preciso que os deputados se mobilizem em conjunto e apresentem suas demandas, mostrando a realidade dos municípios para o Ministério do Desenvolvimento Regional. Ele destaca que ações isoladas, como o deputado Heitor Freire ter se reunido a parte com o ministro Gustavo Canuto, não expõem de fato a necessidade.

Atualmente, 98% das obras do CAC estão concluídas, faltando apenas a finalização do “trecho emergencial” – que levará as águas da Transposição para reservatórios do interior e ao Açude Castanhão. O Governo Estadual aguarda R$ 126 milhões da União, valor que não tem previsão para chegar, mas que é imprescindível para que se possa dar prosseguimento as obras.