Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A bancada ruralista do Congresso quer aprovar ainda em 2018 a mudança nas regras do licenciamento ambiental.  O texto em discussão é o do deputado federal Mauro Pereira (MDB-RS). Com urgência já votada, ele pode ser ser levado ao plenário a qualquer momento pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Segundo a presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Tereza Cristina (DEM-MS), os parlamentares devem se reunir com Maia para apresentar agenda prioritária.  “É importante sim. É uma pauta que para a agricultura seria muito boa, mas também para outros segmentos que têm investimentos travados”, disse a deputada.

Jair Bolsonaro recebe documento de apoio da FPA (nas mãos do deputado Onyx Lorenzoni) ao lado da presidente da frente, Tereza Cristina, e de Nabhan Garcia (UDR), em sua casa no Rio – Reprodução Já o projeto que afrouxa as regras para o registro de agrotóxicos não deve entrar na pauta da frente neste final de governo. A deputada nega que isso tenha sido discutido também com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Cristina negou que tenham sido discutidos na reunião em Brasília de parlamentares da frente, que reúne 261 deputados ou senadores, nomes para o Ministério da Agricultura do governo Bolsonaro.  Apesar de dizer que o nome é questão secundária, ela sinalizou que os parlamentares terão poder de veto.

“Houve uma fala dele quando nós estivemos lá de que esse nome passaria por nós, até para a frente vetar. Não quer dizer que a frente deve dar um nome”, afirmou.  A FPA é uma das bancadas que dão suporte a Bolsonaro no Congresso. Os ruralistas declararam apoio à candidatura do capitão reformado no segundo turno e fizeram com que ele revisse a posição de fundir os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente.

Cristina classificou como “madura” a posição do capitão reformado no recuo da proposta de campanha. O temor da frente era de que além de lidar com pautas da agropecuária, fossem obrigados a tratar de outras questões como lixo e esgoto das cidades no caso da fusão.

Com informações Folha de São Paulo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp