Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Bate Papo Político da edição desta segunda-feira, 8, do Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior), analisou os resultados das eleições 2018, que marcou a reeleição do governador Camilo Santana (PT) para mais um mandato de quatro anos.

Os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida também analisaram a eleição de Cid Gomes (PDT) ao Senado. Cid será companheiro do senador Tasso Jereissati (PSDB) na Casa, juntamente com Luis Eduardo Girão (PROS) que, em disputa acirrada com Eunício Oliveira (MDB), ficou com a segunda vaga ao Senado nas eleições deste ano.

Camilo Santana reeleito. Eunício fora do Senado

O governador Camilo Santana (PT) foi reeleito, neste domingo, para o segundo mandato, com 79,96% dos votos válidos. Camilo somou 3.457.556 votos contra apenas 488.438 votos atribuídos ao candidato general Guilherme Theophilo (PSDB), o que corresponde a 11,30% dos votos válidos. O resultado das urnas retratou as tendências de votos apresentadas pelas duas pesquisas do Ibope realizadas nos meses de agosto e setembro.

Com a preferência do eleitorado em todos os 184 municípios do Estado, Camilo Santana teve na força dos irmãos Cid e Ciro o principal sustentáculo para a reeleição. Para o jornalista Beto Almeida, outros fatores contribuíram para a reeleição em primeiro turno de Camilo. Ele cita, por exemplo, a boa situação financeira pela qual passa o Ceará, que muito se deve a gestão do petista, em meio a uma crise econômica.

O jornalista Luzenor de Oliveira ressaltou que Camilo foi o governador que tirou o maior percentual de votos válidos da história política recente do Ceará (desde 1986). O petista, com 79,96% dos votos válidos, superou o então governador Tasso Jereissati (PSDB), que, em 1998, foi reeleito com 62,72% dos votos válidos, maior percentual até então.

A grande decepção de Camilo, porém, foi a não reeleição de Eunício Oliveira (MDB) ao Senado. Camilo mantinha desde 2016 uma parceria administrativa com Eunício. O senador, que assumiu a Presidência do Congresso Nacional, atuou, junto com o governador do Estado, para acelerar a liberação de verbas para o Ceará. Mesmo com apoio informal de Camilo, já que o PT e o MDB não se coligaram oficialmente para a disputa majoritária no Estado, Eunício não foi páreo para o candidato do PROS, Luis Eduardo Girão, e, por uma diferença de apenas 11.993 votos, não conseguiu se reeleger – Girão tirou 1.325.786 votos, enquanto Eunício, 1.313.793 votos.

Cid Gomes (PDT), no entanto, não teve muita dificuldade para ser eleito para o Senador pela primeira vez. O pedetista recebeu 3.228.533 votos, se tornando o senador mais votado da história do Ceará. Cid ficou com 41,62% dos votos válidos, Girão, com 17,12%, e Eunício, com 16,93%.

Para o jornalista Beto Almeida, divergências internas entre os apoiadores de Camilo fizeram com que Eunício perdesse a eleição. Beto cita Ciro Gomes (PDT), candidato à Presidência, que rechaçou qualquer apoio a Eunício, como principal causa da derrota do emedebista. Para Beto, a derrota de Eunício também surpreende pelo fato de Eduardo Girão ter feito pouca campanha de rua e ter atuado, de forma mais enfática, apenas nas redes sociais.

A nova Assembleia e Câmara Federal

Os cearenses também elegeram nesse domingo, 7, seus 46 representantes na Assembleia Legislativa e seus 22 deputados federais que irão compor as Casas Legislativas a partir de 2019.

Dentre os candidatos à Assembleia Legislativa (AL), André Fernandes (PSL), de apenas 20 anos, foi o mais votado no pleito deste ano, com 109.742 votos (2,40% dos votos válidos). O segundo deputado com maior número de votos foi o ex-chefe de gabinete do prefeito Roberto Cláudio (PDT), Queiroz Filho que recebeu 103.943 votos (2,27%). Sérgio Aguiar (PDT) ficou na terceira posição, com 100.925 votos (2,21%). Completam o top-5, Fernando Santana (PT), que recebeu 95.995 votos (2,09%), e Salmito Filho (PDT), atual presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, com 91.293 votos (2%).

Mais votado na disputa pela Assembleia Legislativa, André Fernandes conversou com os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto ainda na noite desse domingo, 7, no Alerta Geral Especial Eleições 2018. O candidato do PSL destacou que será oposição ao segundo governo Camilo Santana e explicou como conseguiu se eleger, mesmo tendo gasto menos de R$ 10 mil, segundo o próprio.

Os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida, porém, destacaram que Camilo terá ainda mais apoio na AL em seu segundo mandato, já que 38 dos 46 eleitos foram de sua base de apoio nas eleições deste ano. Os 8 candidatos, que serão oposição ao governo Camilo, são do PSDB (2), PROS (2), PSL (2), PSOL (1) e SD (1).

Os dois jornalistas ainda lembraram que muita gente experiente ficou pelo caminho, e que muitas caras novas devem pintar na AL a partir de janeiro do próximo ano. Os dois citaram, além de André, o próprio Queiroz Filho, segundo mais votado, Guilherme Landim (PDT), ex-prefeito de Brejo Santo, e Nezinho Farias (PDT), ex-prefeito de Horizonte.

Já o número de deputadas estaduais encolheu de 6 para 7. Érika Amorim (PSD), primeira dama do prefeito de Caucaia, Naumi Amorim (PMB), foi a mais votada entre as deputadas eleitas. Érika recebeu 86.320 votos (1,29% dos votos válidos), ficando na 7ª sétima posição no geral. As outras candidatas eleitas foram: Augusta Brito (PCdoB), Aderlania Noronha (SD), Dra. Silvana (PR), Patrícia Aguiar (PSD) e Fernanda Pessoa (PSDB).

Entre os nomes que ficaram de fora da Assembleia, Luzenor e Beto destacaram Carlos Matos (PSDB), Ferreira Aragão (PDT) e Ely Aguiar (DC), que não conseguiram se eleger no pleito deste ano.

Já na Câmara Federal, Capitão Wagner (PROS) foi o deputado federal eleito com mais votos no Estado. Wagner recebeu 303.593 votos (6,61% dos votos válidos). Na segunda posição aparece Célio Studart (PV), com 208.854 votos (4,55%). Completam a lista: Luizianne Lins (PT), que recebeu 173.777 votos (3,78%), José Guimarães (PT), com 173.039 (3,77%), e Mauro Filho (PDT), com 157.510 votos (3,43%).

Os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida ressaltaram que apenas oito candidato à Câmara Federal conseguiram se reeleger neste ano e citaram que nomes como Chico Lopes (PCdoB), Cabo Sabino (Avante), Raimundo Gomes de Matos (PSDB) e Danilo Forte (PSDB) ficaram de fora. Todos tiveram uma votação menos expressiva do que em 2014 e não voltam à Câmara Federal em janeiro de 2019.

Os dois ainda pontuaram que as votações expressivas de Capitão Wagner (PROS), candidato eleito mais votado para a Câmara no Ceará, e Luizianne Lins (PT), terceira colocada, credenciam os dois para disputar a Prefeitura de Fortaleza em 2020.

Bolsonaro X Haddad

Por fim, Luzenor e Beto discutiram sobre a disputa presidencial, que terá um segundo turno entre os candidatos do PSL, Jair Bolsonaro, e do PT, Fernando Haddad. Bolsonaro recebeu 46.275.358 votos (46,03% dos votos válidos) e começa o segundo turno à frente do petista Haddad, que recebeu 31.341.839 votos (29,28% dos votos válidos).

O jornalista Beto Almeida declarou que Ciro Gomes (PDT), terceiro colocado com 12,47% dos votos válidos (13.344.074 votos), ainda não declarou apoio oficialmente a Haddad, mas já disse que não vai apoiar Jair Bolsonaro no segundo turno.

Para Beto, Haddad terá uma dura missão neste segundo turno: explicar como o PT vai fazer para se desligar da onda de corrupção que manchou a imagem do partido desde o segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Confira no player abaixo o Bate Papo Político com as análises dos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida na íntegra!

BATE PAPO 08.10.2018