Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Cadê os cargos? Os parlamentares que integram o bloco do centrão, um setor de muita influência e engajamento político dentro do Congresso Nacional, colocam pressão sobre o presidente Jair Bolsonaro para que este possa acelerar o processo de distribuição e nomeação de cargos. A pauta foi destaque no Bate-Papo político entre os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida desta quarta (29).

Formado pelas siglas do PP, PL, PSD e Republicanos, o setor do centrão foi atraído pelo presidente Jair Bolsonaro a fim de que este tenha maior apoio nas pautas enviadas pelo executivo ao Senado ou a Câmara dos Deputados. Como recompensa, o presidente tem prometido o fatiamento de cargos em diversos setores públicos da União.

Em seu comentário, o jornalista Beto Almeida destaca que muitos dos líderes já estão irritados com a demora na indicação dos nomes que ocuparão funções no governo federal. “É promessa pra ser cumprida, porque até agora nada de nomeação de cargos pra aliados de nenhum dos partidos do centrão que hoje estão aí nessa negociação e já declarando apoio ao presidente Bolsonaro”

O Partido Progressista tem como prometido as presidências do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e do DNOCS. Já o Partido Liberal deverá indicar o presidente do Banco do Nordeste (BNB). Enquanto isso o Republicanos ficará com uma secretaria no Ministério do Desenvolvimento Regional e por fim, o Partido Social Democrático (PSD) negocia a ocupação da Superintendência da Funasa nos Estados.

Beto Almeida finaliza destacando que há muitas outras coisas por trás dessas alianças e distribuição de cargos e que o presidente já pensa em 2022:

“O que tá em jogo aí não são apenas os cargos da União, os cargos federais, o que tá em jogo aí pro governo principalmente já é sucessão do presidente da câmara Rodrigo Maia, ele quer garantir que seja eleito um nome de oposição ao Rodrigo, mas que seja um nome simpático ao governo federal e lógico, que está aí já também de olho é a própria sucessão em 2022 onde o presidente Bolsonaro aguarda e quer a reeleição”

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp