Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

As convenções partidárias aumentaram a temperatura da política brasileira nesse fim de semana, mas foram destaques por outro motivo: dos cinco candidatos à Presidência da República oficializados nos encontros, três ainda não definiram o vice de suas respectivas chapas. O assunto foi destaque no Bate Papo Político desta segunda-feira, 23, do Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 25 emissoras no Interior).

Dentre os que ainda não tem vice está o candidato do PDT, Ciro Gomes. Oficializado na última sexta-feira, 20, Ciro teve a vaga de vice da sua chapa ligado a nomes como Márcio Lacerda, pré-candidato do PSB ao Governo de Minas Gerais, Benjamin Steinbruch, presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e recém-filiado ao PP, e Josué Gomes, ligado ao PR.

Ciro, porém, não conseguiu o apoio do Centrão – formado em seu núcleo por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade – que se aliou ao outro presidenciável: Geraldo Alckmin (PSDB), um dos principais adversários do peessedebista na busca de chegar ao segundo turno. Ciro ainda não conseguiu também o apoio do PSB, com quem mantém negociações. O partido se divide sobre quem apoiar – Ciro ou um candidato do PT, independentemente de ser ou não o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os socialistas ainda discutem a possibilidade de ficarem neutros nas eleições deste ano ou até mesmo a volta de Joaquim Barbosa como candidato da sigla ao pleito deste ano.

O PC do B é outra sigla com quem Ciro mantém conversas. O partido, que vai lançar Manuela D’ávila à Presidência da República, em 1º de agosto, continua negociando alianças – inclusive com Ciro e com o PT. O PC do B, inclusive, defendeu durante reuniões nesse fim de semana a união dos partidos de esquerda já para o primeiro turno das eleições presidenciais. A sigla não acredita que Lula, preso desde 7 de abril, e, em tese, inelegível pela Lei da Ficha Limpa, consiga se candidatar neste ano.

Outro candidato que também foi oficializado nesse fim de semana foi o deputado federal Jair Bolsonaro. Candidato do PSL, Bolsonaro, na convenção realizada nesse domingo, 22, no Rio de Janeiro, fez críticas aos partidos de centro e disse que é o “patinho feio” das eleições deste ano. Mesmo liderado as pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República, em cenários sem o ex-presidente Lula, o candidato do PSL, assim como Ciro, enfrenta dificuldades para definir quem vai ocupar a vice de sua chapa.

O senador Magno Malta (PR-ES) era o favorito de Bolsonaro, mas recusou o convite e vai mesmo tentar a reeleição ao Senado Federal. Outro nome cotado era o do general Augusto Heleno Ribeiro (PRP). Heleno até aceitou o convite para assumir a vice de Bolsonaro, mas seu partido rejeitou a aliança com o PSL. Durante a convenção nesse domingo, Bolsonaro admitiu que sua chapa deve ser pura, ou seja, outro nome de seu partido deverá ser escolhido para a vice-presidência. Janaína Paschoal era um dos nomes mais cotados para assumir a vaga, mas o discurso crítico aos seguidores do candidato do PSL também durante a convenção parece ter azedado a possibilidade de uma chapa encabeçada por ela e Bolsonaro.

Outro candidato oficializado sem vice foi Paulo Rabello de Castro (PSC). O economista de 69 anos foi presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) durante o governo do presidente Michel Temer. Após ter o nome oficializado, Castro disse que sua preferência é por uma vice do sexo feminino.

Boulos e Vera Lúcia

O PSOL oficializou nesse sábado, 21, em São Paulo, o nome de Guilherme Boulos como candidato da sigla à Presidência da República. Boulos, que é coordenador do Movimentos dos Trabalhadores Sem Teto, tem 35 anos e terá como vice a líder indígena Sônia Guajajara.

Outro nome oficializado que já tem um vice definido é Vera Lúcia do PSTU. Na sexta-feira, 20, também em São Paulo, Lúcia anunciou que o partido terá chapa pura – seu vice será Hertz Dias, professor da rede pública de ensino do Estado do Maranhão.

Cenário parecido no Ceará

Se no âmbito nacional o cenário é de indefinição, no Ceará, as disputas pelo Governo do Estado também cheguem indefinidas quanto a escolhas dos vices. Tanto o governador Camilo Santana (PT), que tenta a reeleição, quanto o general Guilherme Theophilo (PSDB), ainda não fecharam a composição de suas respectivas chapas.

Enquanto para a chapa de Camilo, os nomes de Izolda Cela, atual vice-governadora, e Zezinho Albuquerque (PDT), presidente da Assembleia Legislativa, são cotados, Theophilo ainda sabe quem será seu vice, já que a médica Mayra Pinheiro, cogitada para assumir a vaga, já disse ao senador Tasso Jereissati (PSDB) que vai tentar um lugar na Assembleia Legislativa nas eleições deste ano.

O PSDB, inclusive, também não definiu o nome que vai lançar na disputa pelo Senado Federal nas eleições deste ano. O ex-senador Luiz Pontes é o nome com mais força dentro do partido nesse momento. Vale lembrar que o PSDB estadual dará palanque ao candidato tucano à Presidência da República, Geraldo Alckmin.

Mais destaques. Os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida ainda debateram sobre a mais nova iniciativa da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), secção Ceará, para combater as fake news durante as eleições deste ano. A OAB-CE vai lançar o Observatório Cearense das Eleições 2018 no próximo mês de agosto, logo após o fim das convenções partidárias, com o objetivo de combater as notícias falsas e outro grave problema: a corrupção. A redação do Jornal Alerta Geral conversou com o presidente da Comissão de Combate à Corrupção Eleitoral da OAB-CE, Rafael Mota Reis, sobre o tema. Confira abaixo a entrevista completa com o advogado da OAB!

RAFAEL MOTA REIS – PRESIDENTE DA COMISSÃO DE COMBATE À CORRUPÇÃO ELEITORAL DA OAB-CE

Gostou do que foi debatido no Bate Papo Político de hoje? Então clica no player abaixo e ouça as análises dos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida na íntegra!

BATE PAPO 23.07.2018

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp