Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) pretende reduzir de 29 para 15 o número de ministérios em seu governo, que começa a partir de 1º de janeiro de 2019. Até o momento, quatro ministros já foram definidos: o da Casa Civil, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), o da Fazenda, o economista Paulo Guedes, o da Defesa, o general Augusto Heleno, e o da Ciência e Tecnologia, o astronauta Marcos Pontes.

O nome do juiz federal Sergio Moro para ocupar o cargo de ministro da Defesa também agrada ao presidente eleito, que deve se encontrar com o responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, nesta quinta-feira para oficializar a proposta. O assunto foi destaque no Bate Papo Político da edição desta quinta-feira, 1º, do Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior).

De acordo com a equipe de Bolsonaro, a composição do novo ministério ficará assim: Casa Civil (assume funções da Secretaria de Governo); Economia (reúne Fazenda, Planejamento e Indústria, Comércio Exterior); Defesa; Saúde; Ciência e Tecnologia (que passa a gerir Ensino Superior); Educação, Esportes e Cultura (fundidos em um só ministério); Trabalho;  Minas e Energia; Justiça e Segurança; Integração Nacional (integrado com Cidades e Turismo); Infraestrutura (inclui Transportes); Gabinete de Segurança Institucional; Desenvolvimento Social (que vai incorporar a Pasta dos Direitos Humanos); Relações Exteriores e, por fim, o ministério da Agricultura e Meio Ambiente.

Os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida comentaram o assunto. Para Beto, a redução no número de ministérios é a maior desde a proposta pelo ex-presidente Fernando Collor de Melo, no início dos anos 90. O jornalista destacou que a expectativa é boa para o próximo governo e elogiou que o desenrolar dos acontecimentos sobre os nomes dos ministros está correndo até rápido demais. Para ele, é visível a necessidade de enxugar a máquina pública.

O jornalista Luzenor de Oliveira concordou com Beto e destacou que a máquina administrativa federal está inchada, o que gera despesas desnecessárias que poderiam ser convertidas em benefícios para a população do Brasil e do Ceará.

Convite a Sergio Moro

Os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida também comentaram sobre a possibilidade do juiz Sergio Moro assumir o Ministério da Justiça. Para o jornalista Beto Almeida, Moro deve acabar aceitando o convite para assumir a Pasta, já pensando em ocupar um posto no Supremo Tribunal Federal (STF) em 2020, quando o ministro decano da Casa, Celso de Mello, se aposenta.

O jornalista lembrou, no entanto, o principal questionamento daqueles que são contrários a presença de Moro no corpo ministerial do próximo governo, que afirmam que não é interessante que um magistrado saia diretamente da primeira instância da Justiça para ocupar um cargo de chefia tão importante como este.

Querendo os opositores ou não, o jornalista Luzenor de Oliveira reforçou que Bolsonaro é livre para escolher seu corpo de ministros. Luzenor afirmou, inclusive, que o presidente eleito nas eleições deste ano talvez tenha sido o único chefe do Executivo brasileiro a se eleger sem ter nenhuma influência partidárias para definir nomes para os ministérios de seu governo.

Beto concorda com Luzenor e diz mais: se Bolsonaro indicar alguém por esse tipo de influência, ele estaria morto politicamente, visto que o eleitor votou no ex-capitão do Exército acreditando, justamente, que isso não ocorreria mais.

Confira no player abaixo o Bate Papo Político na íntegra! Os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida ainda comentaram sobre a expectativa para o feriado de Finados, que terá operações especiais das Polícias Rodoviárias Federal e Estadual. Além disso, os dois ainda conversaram sobre as articulações da oposição ao Governo Bolsonaro em Brasília. Tem cearenses envolvidos na linha de frente!

BATE PAPO 01.11.2018

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp