Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
ESTRUTURA DO HOSPITAL LEONARDO DA VINCI ADQUIRIDO PELO GOVERNO DO CEARA PARA AJUDAR NO COMBATE AO CORONAVIRUS. FOTO ASCOM/ SESA

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou hoje (14) a aprovação do primeiro financiamento do Programa de Apoio Emergencial ao Combate da Pandemia do Coronavírus. A empresa RTS, especializada na venda, locação e assistência técnica de produtos médico-hospitalares, receberá uma linha de crédito de R$ 50 milhões.

Segundo o banco, os recursos serão usados na implantação de mais 300 leitos de UTI em hospitais públicos do país, dos quais 200 serão entregues imediatamente ao Ministério da Saúde e o restante para secretarias estaduais de Saúde, de acordo com informação do BNDES.

Lançado no dia 29 de março, o programa vai destinar R$ 2 bilhões em financiamentos a empresas do setor de saúde. O BNDES informou que 18 empresas demonstraram interesse em obter financiamento por meio dessa linha de crédito emergencial, das quais 12 já estão habilitadas. Os contratos, porém, ainda não foram firmados.

O banco calcula que o valor total do projeto permitirá a implantação de três mil novos leitos de UTI, quinze mil respiradores pulmonares e 88 milhões de máscaras, entre outros materiais e equipamentos, para incorporação ao sistema de saúde nacional.

Valor mínimo

É concedido crédito emergencial com valor mínimo de R$ 10 milhões, visando o aumento da oferta de leitos de UTI, bem como de equipamentos, materiais, insumos, peças, componentes e produtos para saúde, para atendimento das necessidades de assistência às vítimas, diretas e indiretas, da pandemia da covid-19.

Sediada no Rio de Janeiro e com filiais em Porto Alegre, São Paulo, Natal, Curitiba e no estado do Ceará, a RTS gerencia mais de mil leitos em cerca de 100 hospitais, públicos e privados, no Brasil. No dia 16 de março, a empresa assinou contrato com o Ministério da Saúde, para locação e gestão integrada de, no mínimo, 20 módulos de UTI adulta ou pediátrica de alta complexidade, com dez leitos cada, para ampliar hospitais federais de grande porte em capitais brasileiras, o que resultará em 200 novos leitos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp