Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou a redação final da reforma da Previdência dos militares e o texto segue agora para análise do Senado Federal. A proposta tem impacto direto na vida dos militares cearenses com expectativas sobre as novas regras para aposentadoria.

A versão que segue para análise dos senadores é o texto aprovado pela comissão especial. Para passar à inatividade, o texto determina que o tempo mínimo de serviço subirá dos atuais 30 para 35 anos, com pelo menos 25 anos de atividade militar, para homens e mulheres. A remuneração será igual ao último salário (integralidade), com os mesmos reajustes dos ativos (paridade).

Já as contribuições referentes às pensões para cônjuge ou filhos, por exemplo, aumentarão dos atuais 7,5% da remuneração bruta para 9,5% em 2020 e 10,5% em 2021. Pensionistas e alunos atualmente isentos passarão a pagar essa contribuição, que incidirá ainda em casos especiais.

O Ministério da Economia estima, como saldo líquido, que a União deixará de gastar R$ 10,45 bilhões em dez anos. Já a reforma da Previdência dos civis (PEC 6/19) economizará mais de R$ 800 bilhões no período.

As regras para as Forças Armadas foram estendidas aos PMs e bombeiros, categorias incorporadas ao texto a pedido de integrantes da comissão especial. Os militares estaduais também asseguraram a integralidade e a paridade, vantagem que já havia deixado de existir em alguns estados, como o Espírito Santo.

(*) Com informações da Câmara dos Deputados

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp