Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Em pronunciamento nesta quinta-feira, 7 de dezembro, na tribuna da Assembleia Legislativa do Ceará, o deputado estadual Capitão Wagner (PR) falou sobre denúncias, chegadas ao seu gabinete, sobre o favorecimento de empresas acerca da arrecadação de multas de trânsito no município de Fortaleza.  O parlamentar explicou que foi criado um esquema de fiscalização na cidade, que acarretou no aumentando expressivo da arrecadação de multas. Capitão Wagner ressaltou que a prefeitura deverá, ainda, adquirir pistolas de fiscalização usadas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).  Segundo ele, “um investimento muito alto.”

De acordo com o deputado, a prefeitura de Fortaleza tem arrecadado mais de R$ 12 milhões com multas de trânsito. Para Capitão Wagner, o dinheiro deveria ser utilizado em campanhas de educação do trânsito, melhoria da pavimentação, como determina a lei. O parlamentar apontou que deveriam ser criados mecanismos para mandar esse recurso para a área da saúde, inclusive no tratamento de pessoas vítimas de acidente de trânsito. O recurso deveria servir, ainda, para pagar as empresas que prestam este serviço para a prefeitura. “No entanto, o que me chama atenção é que muitas destas empresas estão há 12 meses sem receber um real da prefeitura de Fortaleza. Para onde o dinheiro está indo? Fico me perguntando,” questionou Capitão Wagner.

Outro ponto que chamou a atenção do deputado é que, de acordo com informações do portal da transparência, apenas uma destas empresas recebeu, no dia 23 de novembro de 2017, da prefeitura de Fortaleza, uma quantia de R$ 9 milhões. “Mas porque só uma das empresas recebeu esta quantia? E todas as outras, por que estão há um ano sem receber nada?”

Para finalizar, Capitão Wagner cobrou explicações da secretária de Serviços Públicos da prefeitura de Fortaleza, por que somente uma empresa recebeu o dinheiro e todas as outras estão há um ano sem receber. “Queremos cobrar da prefeitura mais responsabilidade com o pagamento dos prestadores de serviço,” finalizou.

Com informações da Ascom