Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O clima é de tensão no Município de Senador Pompeu após uma carta assinada pela facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), com ameaças a autoridades do Ministério Público Estadual, Tribunal de Justiça e Polícia, ser jogada nas dependências internas do Fórum do Judiciário local. Os promotores de Justiça encaminharam a correspondência ao Ministério Público Estadual, em Fortaleza, à Presidência do Judiciário e, também, à Secretaria de Segurança Pública.

Quando a carta chegou à sede do Fórum Francisco Barroso Gomes, dois elementos teriam efetuados disparos para chamar a atenção. Policiais militares e civis foram designados para, nesta terça-feira, 16, deflagrar uma operação no sentido de tranquilizar a população e preservar a vida das autoridades, assim como o patrimônio público. Na carta, o PCC exigia a transferência para outra cidade de um detento preso em Senador Pompeu que estaria sendo ameaçado de morte.

As informações que chegaram à redação deste site revelam que o detento havia sido transferido. O radialista Rozil Bezerra, Diretor da Rádio FM Humaitá, de Senador Pompeu, entrevistou o promotor de Justiça, André Barroso, relatou as ameaças feitas pela carta e as medidas adotadas para garantir a tranquilidade dos moradores da cidade.  Uma das medidas nesse sentido partiu da Comissão de Segurança do Tribunal de Justiça do Ceará.

O texto da carta destaca, em um dos trechos, que ‘’viemos aqui por meio dessa carta informar que nós do Primeiro Comando da Capital estamos exigindo a transferência de um irmão nosso: Gel que está cercado pelos vermos do CV, e esse recado vai para o juiz, delegado, promotor, pra fundido que desacreditar do Primeiro Comando da Capital, somos o crime organizado e se as nossas exigências não forem obedecidas, Senador Pompeu vai pegar fogo, órgão público vai pegar fogo’’.

Confira o aúdio

BILHETE