Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O boletim epidemiológico do Ministério da Saúde contabiliza 2.331 casos confirmados de sarampo em todo país, nos últimos três meses. O número representa um aumento de 38,7% em relação ao último boletim. No Ceará, de acordo com a Secretária da Saúde, neste ano, foram notificados 98 casos suspeitos, mas 88 foram descartados, 9 seguem em investigação e apenas um caso foi confirmado até o momento.

Esta semana, a primeira morte provocada pela doença foi confirmada em São Paulo. Com a evolução do surto no país, o Ministério da Saúde anunciou que irá distribuir mais 18 milhões e 700 doses de vacina contra o sarampo eira intensificar a imunização com foco em crianças e adultos.

Casos

São Paulo é o epicentro do surto, onde foram confirmados uma morte e 2.299 casos – 98% do total. Os registros se distribuem em 87 municípios dessas unidades federativas.

Sarampo no Ceará

A Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa) já confirmou o primeiro caso de sarampo no Ceará. O paciente, que é morador de Fortaleza, contraiu a doença quando estava em outro estado. A pessoa está internada em um hospital da capital cearense e encontra-se isolada recebendo tratamento adequado.

De acordo com a secretaria, o último caso autóctone de sarampo no Ceará, que ocorre quando a contaminação se dá no próprio estado, foi confirmado em julho de 2015.

Sobre a doença

O sarampo, em surto em todo Brasil, já atingiu, pelo menos, 53 cidades brasileiras estão em surto e já foram notificados 1845 casos só neste ano. Como medida preventiva, o Ministério da Saúde ampliou o grupo que normalmente é vacinado. Com isso, todos os postos do Estado alertam que todas as crianças de seis meses a 1 ano de idade devem ser imunizadas contra o sarampo. A expectativa é que mais de 65 mil cearenses recebam a dose da vacina.

Além da “dose zero”, as crianças devem seguir o calendário de vacinação e tomar a tríplice viral. A “dose zero” está disponível para quem não recebeu a dose extra e não substitui as outras doses, por isso não será considerada válida no Calendário Nacional de Vacinação da criança.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp