Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

APÓS 26 ANOS, um cearense está a poucos dias de ocupar uma posição de destaque no cenário político nacional. Trata-se da Presidência do Senado que, nos anos de 1991- 1993, teve o comando do peemedebista Mauro Benevides. Hoje, o nome mais cotado para o cargo é do também peemedebista Eunício Oliveira que, nesta semana, recebeu  apoio de senadores do PT para suceder, a partir do dia 2 de fevereiro, o colega Renan Calheiros. Eunício mergulhou nas articulações políticas em Brasília, conquistou o coração do alto comando do PMDB, tem a simpatia do presidente Michel Temer, atraiu o PSDB e caminha firme para presidir o Senado no biênio 2017-2018. Com a caneta na mão em Brasília,

Eunício se prepara para desembarcar, com mais força, na corrida pelo Governo do Estado ou mesmo à reeleição em 2018.

Unir oposição

UM DOS DESAFIOS DE EUNÍCIO OLIVEIRA, ao conciliar a caminhada à Presidência do Senado com as eleições de 2018, é manter a oposição (PMDB, PSDB, PR , SD, PSD e PMB) unida. Eunício tem conseguido avançar
nessa movimentação e, nas conversas com o senador Tasso Jereissati, vem segurando o PSDB no bloco de oposição.

Arranhões

O PREFEITO NAUMI AMORIM precisa cair em campo para conter as insatisfações entre os aliados na Câmara Municipal. Antes mesmo da posse das primeiras votações dos projetos no Legislativo, vereadores externam sinais de descontentamento com o tratamento recebido do Executivo. Se demorar, Naumi perderá o controle sobre vereadores eleitos em seu palanque, como, por exemplo, da vereadora Irenilde Fortunato.

Fumaça

O DESCONTENTAMENTO ATINGE, ainda, o vereador Mersinho Gonçalves que tem a esposa Daniele no comando da Secretaria Municipal de Ação Social. Foco da inquietação: Naumi nomeou Daniele, mas tirou qualquer poder para
indicação de ocupantes de posições importantes da pasta, como secretário adjunto e diretor. A regra vale para todos os secretários, mas engesse quem quer mais liberdade para trabalhar.

SOS Brasília

O DEPUTADO FEDERAL DANILO FORTE (PSB) bateu à porta de órgãos da União em Brasília para derrubar a inadimplência de Caucaia com o Governo Federal. Com o nome no cadastro por falta de prestação de contas dos convênios assinados ao longo dos últimos oito anos, o Município de Caucaia não pode ter novos convênios, nem receber recursos da União. Dinheiro
mesmo somente das transferências constitucionais, como FPM, Fundeb, fundo de saúde.