Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

UMA HERANÇA DO PASSADO distante que gera adversidades para instalação de empresas em Caucaia. A falta de demarcação das terras indígenas está assustando investidores que estão de olho no Porto do Pecém, mas encontram dificuldades para  conseguir terras que os contemplem na dimensão dos seus negócios. O prefeito Naumi Amorim (PMD) já se deparou com o problema e o assunto parou, nesta semana, em Brasília. O deputado federal Danilo Forte (PSB) começou a agir para a União regulamentar as terras dos índios e garantir, assim, que as empresas avancem nas negociações para desembarcar em Caucaia. Ao longo dos últimos 30 anos, os prefeitos cruzaram os braços no debate sobre a demarcação das terras indígenas.

Otimismo no Pecém

O GOVERNADOR CAMILO SANTANA (PT) volta ao Ceará entusiasmado com a assinatura do acordo de cooperação entre os Portos do Pecém, no Ceará, e Roterdã, na Holanda. Camilo se reuniu com empresários interessados nas potencialidades de negócios no Ceará e aguarda, com boa expectativa, o fechamento de parcerias para o Complexo Portuário do Pecém receber novas empresas européias.

Prioridade

É DEMOCRÁTICA a abertura de espaço na Câmara de Vereadores de Caucaia para representantes de comunidades discutirem questões que as afetam diretamente. É o caso, por exemplo, da emancipação do Distrito da Jurema que entrou, nesta semana, na agenda do Legislativo. A emancipação é um sonho, mas está distante de se transformar em realidade e, nesse momento, os moradores da Jurema têm outras prioridades.

Prioridade II

OS VEREADORES DE CAUCAIA precisam entrar no debate de grandes temas que mexem com o presente e o futuro dos moradores. A Câmara Municipal não pode ficar ausente, nem no silêncio sobre as ações que passam pelo Porto do Pecém e representam caminho para os caucaienses ganharem milhares de empregos. E, nesse contexto econômico, político e social, a Câmara de Vereadores precisa se inserir e não pode ficar omissa.

Ausência na Assembleia

O SUMIÇO DO PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA, José Albuquerque (PDT), está gerando inquietação entre os deputados estaduais. Albuquerque se ausenta com muita freqüência do comando da Mesa Diretora e muitos parlamentares acabam, também, desestimulados a permanecer no Plenário 13 de Maio. Em alguns momentos, o orador na tribuna fala para dois ou três parlamentares. Um desgaste à imagem do Parlamento que poderia ser facilmente evitado.

Desgaste dividido

O PRESIDENTE MICHEL TEMER, a pedido de lideranças na Câmara e no Senado, decidiu, ao excluir servidores estaduais e municipais da reforma previdenciária, dividir com governadores e prefeitos o desgaste na discussão das mudanças nas regras da aposentadoria. O Governo Federal e o Congresso Nacional estavam pagando um alto preço pela antipatia popular á reforma da previdência. Agora, o ônus ficará, também, com Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores.