Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Ministério do Trabalho divulgou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) que revelou que, no mês de junho, o Ceará registrou saldo positivo de emprego formal. Este é o segundo saldo positivo no estado, o primeiro foi no mês de fevereiro, com um diferencial de 64 vagas entre admitidos e demitidos. No mês de junho, foram admitidos 31.217 trabalhadores e demitidos 31.084, resultando em 133 postos de trabalho gerados. Considerando apenas o mês de junho, em 2015, o estado teve seu melhor desempenho na geração de emprego, com um saldo de 1.222 vagas ocupadas.

Apesar do resultado positivo, a região Nordeste – de um modo geral – registrou balanço negativo e o Ceará ficou em terceiro lugar, ficando atrás apenas dos constatados em Alagoas (-156) e Bahia (-1.290). Os destaques positivos da região foram Maranhão (1.531) e Pernambuco ( 2.726), que, inclusive, obteve o melhor saldo do País.

Agropecuária (246), comércio (149), serviços industriais de utilidade pública (134), serviços (31) e atividade extrativa mineral (1) registraram saldos positivos no Estado. Nos segmentos de indústria de transformação (-282), administração pública (-87) a construção civil (-56), entretanto, foram constatados fechamentos de postos.

Crise persiste

No acumulado do primeiro semestre deste ano, o Ceará fechou um total de 14.486 postos de trabalho entre 203.387 desligamentos e 188.901 contratações. O principal impacto para esse resultado veio de um dos mais importantes segmentos da economia cearense, o comércio. O setor teve um saldo de -6.676 vagas. Em seguida, figuraram indústria de transformação (-3.337), serviços (-2.129), agropecuária (-1.323), construção civil (-1.353) e atividade extrativa mineral (-200). Somente os segmentos de administração pública (387) e serviços industriais de utilidade pública (145) conseguiram mais admitir do que demitir trabalhadores.

Além do fechamento de postos de trabalho nos primeiros seis meses deste ano, no acumulado dos últimos 12 meses o saldo do Estado também permanece negativo (-27.481).