Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Em meio ao clima de tensão pela propagação no novo coronavírus pelo Ceará, o cenário mudou na Assembleia Legislativa do Ceará. No Bate Papo Político do Jornal Alerta Geral, o jornalista Beto Almeida, ao lado de Luzenor de Oliveira afirmou que há “um cenário completamente diferente. Para quem esperava, por exemplo, galerias lotadas de servidores da saúde, de familiares e até a presença de policiais militares na Assembleia Legislativa, isso não vai acontecer”.

Beto ressalta que desde terça-feira (17), a Casa Legislativa tem tomado medidas para diminuir a possibilidade de contagia pela doença como, por exemplo, a restrição e redução do número de assessores parlamentares em Plenário. Mesmo com os cuidados, a entrada do vírus na Assembleia não pode ser contida e na manhã desta quarta-feira (18), parlamentares tiveram confirmado teste positivo para a doença.

Na manhã desta quarta-feira (18) a situação mudou rapidamente após o deputado Júlio César ter confirmado o teste positivo para o Covid-19. Ele e o também deputado Leonardo Araújo realizaram exames ainda nessa terça para verificar o contágio ou não pelo vírus.

Em uma rede social, Júlio César divulgou o resultado do exame. O diagnóstico de Araújo foi negativo e o parlamentar realizará novamente o exame em 7 dias.

+Exame do deputado Júlio César da positivo para coronavírus

Diante do resultado positivo e da instauração de preocupação entre os parlamentares, o presidente da Mesa Diretora, José Sarto (PDT), determinou o fechamento do Plenário e a suspensão ordinária programada para esta quarta. Sarto confirmou, em mensagem ao cearaagora, a suspensão das atividades em Plenário.

+ Coronavírus na Assembleia Legislativa: Plenário é lacrado e sessão suspensa

Cononavírus

Luzenor salienta que a rede de saúde do Ceará não tem condições de atender a uma alta demanda de casos de coronavírus que necessitem de internação. De acordo com o jornalista, especialistas apontam 80% das pessoas infectadas com o coronavírus não precisarão ser internadas.

“Esse é um alívio, mas ao mesmo tempo, o restante do pessoal, 20%, entre esses 20%, 5% de internação já é suficiente, dependendo do número de pessoas, para abalar da rede pública e particular de saúde”, diz Luzenor.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp