Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A queda de braço no DEM chegou ao fim. O estopim da crise  aconteceu há pouco mais de três semanas quando foi deflagrado um movimento para o Capitão Wagner e o vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa, comandarem o partido no Ceará. A estratégia tinha a articulação do deputado federal Danilo Forte em sintonia com o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, e o novo presidente nacional do DEM, Rodrigo Maia.

A nuvem de turbulência foi, porém, dissipada, nesta semana, e o DEM continua como está. Com uma diferença, a sigla não pode oficializar coligação com o PT – seja majoritária ou proporcional. Os filiados da agremiação – candidatos ou não, terão liberdade para escolher  candidatos a presidente da República e Governador. Uma série de reuniões entre lideranças nacionais e regionais garantiu, nessa quinta-feira, 22, a pacificação do DEM no Ceará.

O presidente da Executiva Regional, Chiquinho Feitosa, acompanhado do vice-prefeito de Fortaleza, Moroni Torgan, do ex-deputado Idemar Citó, e do deputado federal Danilo Forte, se reuniu com o novo presidente nacional do DEM, ACM Neto, para uma avaliação sobre os caminhos do partido no Ceará. Danilo, que ingressou no partido há pouco mais de três meses, queria o DEM longe do Governo Camilo Santana e da administração do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio.

A estratégia era entregar o partido ao Capitão Wagner e ao vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa. A movimentação de Danilo Forte tinha o apoio do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia. A estratégia de Danilo ficou frustrada porque, durante a semana, após uma série de reuniões em Brasília, Chiquinho Feitosa, Moroni Torgan e Idemar Citó garantiram cumprir as diretrizes nacionais do DEM.

Uma dessas diretrizes é uma resolução nacional que impede o DEM de fechar alianças com o PT. O deputado Danilo Forte, também, participou dessas reuniões para os rumos do DEM serem definidos de forma pacífica. Ao final de uma série de encontros e articulações, ficou definido o seguinte: os candidatos do DEM à Assembleia Legislativa e à Câmara Federal ficarão à vontade para apoiar qualquer candidato a Governador e a Presidente da República, mas o partido não entrará em qualquer coligação que esteja presente o PT. Chiquinho, Moroni e Idemar Citó são, contudo, aliados do Governador Camilo Santana.

Confira o que disse o correspondente do Jornal Alerta Geral (Expresso 104,3 FM – Grande Fortaleza e Região Metropolitana + 24 emissoras do Interior do Estado), Alverne Lacerda.

ALVERNE LACERDA – REUNIAO DO DEM

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp