Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Ciro Gomes (PDT), pré-candidato ao Palácio do Planalto, diz, nessa quarta-feira, 7, que Geraldo Alckmin (PSDB) será seu adversário no segundo turno das eleições deste ano. Segundo o político cearense, “se nós tivermos atenção, objetivamente, aquilo que parece ser a estrutura, o posicionamento, parece que será uma disputa entre nós e o Alckmin”, disse. Ciro participou na tarde desta quarta de reunião com a bancada da Câmara.

De acordo com uma pesquisa encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) ao Instituto MDA divulgada nessa terça-feira, 6, em um cenário sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Ciro chega a 8,1% das intenções de voto, contra 8,6% de Alckmin nesta situação. No entanto, neste quadro, a liderança é ocupada por Jair Bolsonaro (PSL-RJ) com 20%, seguido por Marina Silva (Rede-AC), com 12,8%.

“Me dói pensar em Lula preso”, diz Ciro

Ciro disse também que não precisa de “discurso” para pedir o apoio do ex-presidente Lula. “Faz 16 anos que eu ajudo o Lula. Mais do que a retórica, eu tenho é um testemunho de vida”. Segundo ele, como sempre apoiou o petista, isso já seria suficiente. “Se isso não falar por si, é porque há muita intriga para desfazer isso, o que é uma realidade de vida”.

Após a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de rejeitar o habeas corpus de Lula, Ciro defendeu que o Supremo Tribunal Federal (STF) altere o entendimento sobre a prisão em 2ª instância. “O ex-presidente Lula está sendo ameaçado de prisão agora por uma decisão estranha, sem base jurídica que eu conheça, sem antecedente internacional”.

O ex-ministro de Lula disse que evita pensar sobre a eventual prisão do ex-presidente. “Não quero nem pensar. Me dói muito o coração imaginar a prisão de Lula”, disse. Ciro lembrou ainda que falou aos deputados sobre a importância de aumentar a bancada e reforçou que a meta é alcançar mais seis cadeiras na Câmara. Hoje, o PDT conta com 20 deputados federais.

“[É necessário] formarmos uma grande bancada, para em caso de uma vitória, nós termos uma base para iniciar os processos das reformas que o país vai precisar passar”, afirmou.

A respeito das pesquisas eleitorais, Ciro diz não se preocupar com os baixos índices apresentados por ele no momento. Segundo o candidato, o processo é dinâmico. “Não faz 20 dias que a gente estava considerando a candidatura do Luciano Huck com o inacreditável apoio do Fernando Henrique Cardoso”, disse.

Com informações do UOL Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp