Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Black Friday deste ano deverá movimentar R$ 3,67 bilhões e alcançar o maior faturamento em uma década, como aponta a projeção da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Se confirmada a previsão, será um aumento de aproximadamente 10,5% em relação a 2018 (R$ 3,32 bi) – descontada a inflação, o crescimento real das vendas em comparação com o mesmo período do ano passado deverá ser de 6,8%.

A Black Friday – evento promocional de descontos do varejo que ocorre sempre na última sexta-feira de novembro – já é a quinta data mais importante para o setor, atrás de Natal, Dia das Mães, Dia das Crianças e Dia dos Pais.

Em 2019, o segmento de eletroeletrônicos e utilidades domésticas deverá ser o principal destaque entre os ramos que já aderiram à data, com previsão de movimentação financeira de R$ 929,4 milhões. Em seguida, deverão sobressair os volumes de receitas gerados pelos segmentos de hipermercados e supermercados (R$ 899,3 milhões) e de móveis e eletrodomésticos (R$ 845,5 milhões).

DESCONTOS EFETIVOS

Diante do forte apelo da Black Friday para o comércio, neste ano a CNC traz, além das estimativas tradicionais de faturamento, uma projeção dos itens que apresentam maior potencial de descontos efetivos durante a data. De acordo com o estudo da Confederação, os produtos com mais chances de descontos efetivos em 2019 são, em ordem decrescente: calças masculinas, fornos de micro-ondas, smartbands, guarda-roupas e celulares/smartphones.

Para chegar a este resultado, a Divisão Econômica da Confederação coletou, diariamente, mais de dois mil preços de produtos ao longo dos últimos 40 dias – encerrados em 15 de novembro.

Foram definidos três níveis de classificação para os produtos em relação ao potencial de desconto efetivo: alto potencial (variações de preços mínimos menores ou iguais a 10% nos últimos 40 dias); médio potencial (variações de preços mínimos superiores a 10% e inferiores 20% nos últimos 40 dias); baixo potencial (variações de preços superiores a 20% nos últimos 40 dias).

Divididos em dez grupos de cinco linhas de produtos, a coleta dos cinco itens mais procurados ao longo dos últimos 40 dias revelou que, dados os níveis recentes de inflação, metade dos grupos analisados apresentou alto potencial de desconto efetivo em relação ao preço mínimo (Celular e Telefone; Eletrodomésticos; Móveis e decoração; Moda e acessórios; Informática); três revelaram potencial médio (Eletroportáteis; TVs e eletroeletrônicos; Perfumaria e cosméticos); e dois, baixo potencial (Games; Esporte e lazer).

*(Com informações da Fecomércio)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp