Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A legenda que apoiou Fernando Haddad, candidato derrotado do Partido dos Trabalhadores (PT) no segundo turno das eleições presidenciais, anunciou nessa segunda-feira, 5, que fará oposição ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), mas sem a intenção de “inviabilizar o governo”.

Reunida em Brasília, a direção executiva nacional do Partido Socialista Brasileiro (PSB) defendeu uma oposição pragmática, com ações pontuais diante das propostas do futuro presidente. A possibilidade de diálogo é considerada se for “em função das demandas e urgências” do país.

A legenda, em nota, falou em moderar o governo, para que “prevaleçam as teses e agendas de interesse nacional”. Reiterou ainda que fará “defesa intransigente dos valores e práticas democráticas e da liberdade de imprensa”. “A lógica do ‘quanto pior, melhor’ não nos cativa ou estimula, e não faremos do sofrimento dos brasileiros trampolim para o próximo pleito eleitoral”, afirmou o PSB no documento.

“Fomos colocados na oposição pelo eleitor, porque apoiamos um candidato que não ganhou. E também porque o que ganhou pensa diametralmente oposto ao que pensamos”, disse no encontro o presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira.

A oposição do PSB, reforçou ele, “não será sistemática, mas em face de questões concretas, das proposições que o governo fizer”. “Naturalmente, os prenúncios não são dos melhores.” Siqueira afirmou estar em contato com lideranças do PDT e do PC do B para articular uma coalizão crítica a Bolsonaro e defensora da democracia.

“Os partidos de esquerda não ficaram felizes com a declaração do PT de que há um comandante da oposição. Não haverá uma oposição, haverá várias oposições”, disse o dirigente.

O PSB, que atualmente tem 31 parlamentares, elegeu 32 deputados federais neste ano. Para o Senado saíram vitoriosos dois candidatos — hoje quatro pessebistas possuem mandato. No comunicado divulgado à imprensa, o partido avalia positivamente seu desempenho na eleição. A sigla conquistou o governo de três estados (Pernambuco, Paraíba e Espírito Santo).

O resultado em São Paulo, onde Márcio França disputou a reeleição e perdeu no segundo turno para João Doria (PSDB), foi tido como bom. Os 48% de votos válidos que ele teve foram “um marco realmente significativo”, na visão do partido.

França, que participou da reunião desta segunda, defendeu que o PSB agora “faça aquele papel histórico de aglutinar” e busque construir pontes com outros partidos de oposição ao presidente.

“O primeiro caminho é fincar os conceitos democráticos”, afirmou, citando o papel do Supremo Tribunal Federal (STF) e da imprensa livre. Apesar do apoio a Haddad no plano nacional, a legenda liberou os diretórios de São Paulo e do Distrito Federal.

Na eleição paulista, França recebeu o apoio de aliados de Bolsonaro. Passada a eleição, a avaliação do PSB é que, embora o ex-prefeito tenha sido derrotado para a Presidência, “a margem final de votos em favor do projeto de extrema direita não pode deixar de ser celebrada”.

Com informações do jornal Folha de São Paulo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp