Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A confiança da indústria do Brasil chegou ao nível mais alto em cerca de quatro anos e meio em março tanto com a melhora na percepção da situação atual quanto das perspectivas sobre o futuro próximo, apontou nesta terça-feira, 27, a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

No mês, o Índice da Confiança da Indústria (ICI) subiu 1,3 ponto e chegou a 101,7 pontos, nível mais alto desde agosto de 2013 (101,9 pontos). Com o resultado, o ICI médio do primeiro trimestre foi a 100,5 pontos, 2,9 pontos acima do trimestre imediatamente anterior.

“Após quase cinco anos com prevalência de respostas desfavoráveis e pessimistas na pesquisa, o setor industrial brasileiro retorna a uma situação de normalidade em relação às avaliações sobre a situação atual e às perspectivas para o futuro próximo”, explicou a coordenadora da Sondagem da Indústria da FGV/IBRE, Tabi Thuler Santos, em nota.

O Índice da Situação Atual (ISA) subiu 1,2 ponto em março e foi a 100,6 pontos, influenciado principalmente pela melhora no nível da demanda, depois de recuar 1,5 ponto no mês anterior.

O Índice de Expectativas (IE) avançou 1,4 ponto e chegou a 102,8 pontos, nível mais elevado desde junho de 2013, com alta do indicador de expectativas com a evolução do pessoal ocupado nos três meses seguintes.

Segundo a FGV, essa foi a primeira vez desde setembro de 2013 em que os dois índices terminaram juntos acima do nível neutro de 100 pontos, o que “indica que a satisfação da indústria com o momento presente e o otimismo com o futuro próximo estão, agora, acima do que geralmente o setor reporta na pesquisa”.

A coordenadora da FGV também destacou “a continuidade do processo de recuperação da demanda no mercado interno e do nível de utilização da capacidade instalada, indicadores que perderam muito nos últimos anos e demoraram a dar sinais de recuperação consistente”.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada em março teve aumento de 0,5 ponto percentual e chegou a 76,1%, patamar mais elevado desde maio de 2015 (76,6 por cento).

O resultado da confiança da indústria acompanha o cenário no setor de comércio, cuja confiança melhorou em março pela sétima vez seguida, informou a FGV também nesta terça-feira.

A produção da indústria do Brasil iniciou 2018 com queda de 2,4% em janeiro sobre o mês anterior, a perda mais forte em dois anos devido ao ajuste na fabricação de veículos, de acordo com dados do IBGE.

Com informações da Reuters

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp