Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Congresso Nacional aprovou nesta quinta (7) projeto que retira R$ 635 milhões de recursos do MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações) para serem usados em outras áreas.

A medida, que representa um corte de 92% dos recursos destinados neste ano a bolsas e apoio à pesquisa, segue agora para sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O projeto atendeu a um pedido da equipe econômica do governo federal. O Ministério da Economia solicitou a retirada para que pudesse abrir crédito suplementar a outras áreas. Com a autorização do Congresso, R$ 150 milhões agora s
erão do Ministério do Desenvolvimento Regional para ações de proteção em áreas de risco.

Outros R$ 100 milhões serão para integralizar cotas de moradia do Fundo de Arrendamento Residencial. O Ministério da Educação vai receber R$ 107 milhões, para a concessão de bolsas de estudo no ensino superior. O Ministério da Saúde vai ficar com R$ 50 milhões, para o saneamento básico.
Outros R$ 2,2 milhões vão para obras de infraestrutura hídrica.
Para a ciência, ficarão apenas R$ 55 milhões —8% do previsto inicialmente. Parte do recurso retirado, cerca de R$ 63 milhões, será destinada exclusivamente para a produção de radiofármacos.
A fabricação desses insumos foi interrompida no dia 20 de setembro por falta de recursos no Ipen (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares). O órgão enviou ofícios informando a interrupção no dia 14. O valor liberado pelo Congresso ainda é menor do que o necessário, já que a pasta solicitou R$ 89,7 milhões para manter a produção até dezembro.
“Dá-se com uma mão, para retirar com a outra. Nesse processo, agoniza a ciência nacional”, diz nota encaminhada ao presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), por oito entidades científicas.

Eles pedem que o corte seja revisto, já que, na sua visão, inviabiliza a ciência no país. Sem o dinheiro, poderá haver a perda de bolsas e a suspensão do Edital Universal do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), um dos mais importantes do Brasil.

O orçamento do CNPq vem caindo nos últimos 20 anos e chegou a R$ 1,2 bilhão em 2021, o menor valor desde 2001.

“Diziam que só nos tinham sobrado migalhas. Agora, decidiram levar embora até as migalhas. O pouco que tinha foi levado para outros ministérios”, diz Helena Nader, vice-presidente da ABC (Academia Brasileira de Ciências).

(*) Com informações Folha de São Paulo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp