Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Conselho de Sentença do 5º Tribunal do Júri de Fortaleza condenou, nessa segunda-feira (06/02), o réu Marcos Edcleber Oliveira Machado, acusado de matar a comerciante Maria Auxiliadora Silva Colares. O magistrado Raimundo Lucena Neto, juiz auxiliar privativo da 5ª Vara do Júri do Fórum Clóvis Beviláqua, fixou a pena em 16 anos de reclusão em regime inicialmente fechado. O juiz considerou dois agravantes: meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

A sessão teve início às 13h30 e terminou às 20h03 dessa segunda-feira, dia 6. A defesa negou a autoria do assassinato e pediu a absolvição. O Conselho de Sentença não acatou e decidiu pela condenação do réu. O acusado poderá recorrer em liberdade porque o juiz considerou inexistir “circunstância fática que imponha qualquer necessidade de medida cautelar”.

O CASO
De acordo com a denúncia do Ministério Público do Ceará (MP/CE), na noite de 10 de junho de 2014, Maria Auxiliadora estava em casa quando Marcos Edcleber se dirigiu ao segundo andar do imóvel onde morava sua namorada, sobrinha da vítima. Constatando que a namorada não estava, ele desceu e vendo que a vítima ia embora, pediu carona até um supermercado.

Na manhã seguinte, dia 11, Maria Auxiliadora foi encontrada no porta-malas de seu veículo sem vida, vestida com roupas íntimas e enrolada em colcha de cama. A causa da morte, conforme laudo pericial, teria sido asfixia.

Ao ser interrogado, Marcos Edcleber confessou que esteve com a vítima momentos antes do desaparecimento dela e que os dois mantiveram relações sexuais. Em seguida, retornou à casa da namorada.

Com informação da A.I