Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A reciclagem de resíduos de papel, plástico e alumínio cresceu 29% no Brasil nos últimos cinco anos. É o que aponta o relatório da Coalizão Embalagens entregue ao Ministério do Meio Ambiente, em novembro deste ano. O documento faz referência à primeira fase do Acordo Setorial de Embalagens, que normatiza as ações das empresas que fabricam, importam, distribuem e comercializam esses materiais em relação às metas da Política Nacional dos Resíduos Sólidos. Os dados para o levantamento foram obtidos nas empresas recicladoras de papel, plástico e alumínio espalhadas pelo Brasil.

A meta estipulada pelo Acordo Setorial, assinado no final de 2015, previa um aumento de 19,8% no índice de reciclagem no final de 2017. O número registrado foi 9,2% maior do que a expectativa inicial. De acordo com o relatório, ao longo desse período foram desenvolvidas ações em 732 municípios de 25 estados, com apoio de 802 cooperativas e a instalação de 2.082 Postos de Entrega Voluntária, sendo que a meta inicial era instalar 745. Após o período de avaliação, previsto na primeira fase do Acordo Setorial de Embalagens, será implantado um sistema de monitoramento mais preciso da cadeia de reciclagem, incluindo cooperativas, os Postos de Entrega Voluntária e recicladoras. A Coalizão Embalagens é formada por 27 associações, lideradas pelo Compromisso Empresarial para Reciclagem, o Cempre.

Com Agência do Rádio Mais