Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma pesquisa do Datafolha divulgada nesta quarta (8), Dia Internacional da Mulher, aponta que, no ano passado, 503 mulheres foram vítimas de agressão física a cada hora no país, representando 4,4 milhões de brasileiras (9% do total das maiores de 16 anos). Se forem contabilizadas as agressões verbais, o índice de mulheres que se dizem vítimas de algum tipo de agressão em 2016 sobe para 29%.

A pesquisa mostra que 9% das entrevistadas dizem ter levado chutes, empurrões ou batidas; 10% afirmam ter sofrido ameaças de apanhar. Além disso, 22% relatam ter recebido insultos e xingamentos ou terem sido alvo de humilhações (12 milhões) e 10% (5 milhões) ter sofrido ameaça de violência física. Há ainda casos mais graves, como ameaças com facas ou armas de fogo (4%), lesão por algum objetivo atirado (4%) e espancamento ou tentativa de estrangulamento (3%).

De acordo com as entrevistadas, 61% dos agressores são conhecidos pelas vitimas. A pesquisa aponta que 19% é o próprio cônjuge, companheiro ou namorado e outras 16%, é o ex. Parentes como irmãos (9%), amigos (8%), pai ou mãe (8%), vizinhos (4%) e colegas de trabalho (3%) também são citados. A maior parte das agressões ocorre em casa (43%). A rua (39%), o trabalho (5%) e a balada (5%) aparecem em seguida.

Segundo o Datafolha, 52% das mulheres não fazem nada após a agressão. Entre as que tomaram alguma atitude, 11% denunciaram o agressor em uma Delegacia da Mulher e 10%, em uma delegacia comum. A pesquisa mostra que 3% ligaram para a PM e 1% para o Ligue 180 (Central de Atendimento à Mulher). E 13% procuraram a família e 12%, amigos.

Conforme o estudo, há diferenças significativas no índice de vitimização entre as variáveis idade, instrução, renda familiar mensal, classe econômica, cor e natureza do município. “O índice é mais alto entre as mais jovens (70%) que entre as mais velhas (10%), entre as mais instruídas (52%) que entre as menos instruídas (21%), entre as mais ricas (52%) que entre as mais pobres (37%), entre as que pertencem às classes A/B (49%) que entre as que pertencem às classes D/E (34%), entre as que se auto intitularam como pretas (47%) que entre as brancas (35%) e entre as moradoras de regiões metropolitanas (48%) que entre as moradoras do interior (35%)”, informa o estudo.

O levantamento teve apoio do governo do Canadá e do Instituto Avon e foi feita entre os dias 9 e 11 de fevereiro deste ano em 130 municípios. Foram ouvidas 2.073 pessoas. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, para a amostra nacional, e de 3 pontos para a amostra de mulheres participantes do módulo de autopreenchimento. O estudo foi encomendado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Com informação G1 – CE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp