Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de negar o habeas corpus ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já na madrugada desta quinta-feira, 5, deixou líderes de partidos de esquerda e petistas revoltados.

Nas redes sociais, o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS) criticou a presidente do STF, Cármen Lúcia, e os ministros Edson Fachin e Luís Roberto Barroso. “A chicana jurídica engendrada por Cármen Lúcia, Fachin e Barroso entrará para a história como uma das ações mais perversas e indignas do STF em todos os tempos. Será lembrada como um gesto de covardia extrema com objetivo de perseguir Lula, seu legado e seu futuro”, escreveu Pimenta numa rede social.

No campo oposto, deputados consideraram justo o posicionamento do Supremo. O líder do PSDB na Câmara, Nilson Leitão (MT), disse que a decisão já era esperada. “Ao contrário do que Lula e o PT defendem, o ex-presidente não está acima da lei, mas ao alcance dela, como todos os brasileiros. Uma decisão em sentido contrário frustraria a sociedade e ressaltaria o sentimento de retrocesso no combate à impunidade”, afirmou o tucano.

Já o líder do DEM, deputado Rodrigo Garcia (SP), disse que decisão do STF é um avanço no combate à impunidade. “É uma clara demonstração de que a lei vale para todos e um passo muito importante no combate à impunidade”, afirmou em nota.

Para Orlando Silva (PCdoB-SP), o julgamento foi um exemplo do clima de divisão em vigor no país. “Quem assistiu à reunião do STF viu ministros votando sem convicção contra o HC [habeas corpus] de Lula, com argumentos frágeis. E os favoráveis ao HC demonstraram densidade e amplo domínio jurídico”, escreveu Orlando no Twitter. “A divisão do STF é exata síntese da divisão, da polarização do Brasil!”

Em nota, o PSOL afirmou que a decisão do STF é inconstitucional e disse defender, apesar da pré-candidatura de Guilherme Boulos, que o ex-presidente tenha o direito de concorrer à Presidência. “Mostra-se necessária a formação de uma frente democrática contra a escalada de autoritarismo e violência – cujo ápice foi o crime político que vitimou nossa companheira, Marielle Franco – que restitua o Estado Democrático de Direito e as liberdades políticas”, diz a nota assinada pelo presidente do partido, Juliano Medeiros.

Com informações do Jornal Folha de São Paulo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp