Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Em pronunciamento pela passagem do Dia Internacional da Mulher, nesta sexta-feira, 8 de março, a deputada estadual Aderlânia Noronha (Solidariedade) lembrou que a data teve origem no final do Século XIX e início do Século XX, no contexto das lutas femininas por melhores condições de vida e pelo direito ao voto.

Ela saudou e homenageou todas as mulheres cearenses, pontuando que muitas delas enfrentam jornadas duplas de trabalho.

Violência

A deputada continuou seu discurso chamando a atenção para a violência contra as mulheres. “São assustadoras as crescentes estatísticas de feminicídio no País, em muitos casos por motivações banais.”

Ela manifestou seu protesto e convicção de que essa realidade, cruel e covarde, precisa cessar definitivamente. Acrescentou que, no seu primeiro mandato, elegeu com prioridade as causas sociais e femininas. Lembrou ainda que apresentou muitos projetos, alguns já aprovados, em defesa da mulher cearense.

Entre esses, permitam-me destacar: a criação da Semana Estadual pela Não Violência contra a Mulher, a inserção da Campanha Mais Mulheres na Política no Calendário de Eventos do Estado do Ceará, a criação de postos avançados nas Delegacias da Polícia Civil do Estado para atendimento à mulher vítima de qualquer tipo de violência e a instituição de medidas de prevenção e combate ao crime de assédio e abuso sexual de mulheres nos meios de transporte coletivo intermunicipal no âmbito estadual.

Aderlânia finalizou prometendo que sua luta na defesa e proteção da mulher cearense continuará intensa neste segundo mandato. “Para tanto, conclamo minhas colegas de Parlamento, independentemente dos interesses partidários e ideológicos, a erguerem essa bandeira, que, na verdade, não é só das mulheres, porém de todos aqueles que almejam uma sociedade mais justa e equilibrada.” – concluiu.

“Essa luta – continuou – tem como objetivo principal a paz social, seja no seio da família, no trabalho, no dia a dia, na criação dos filhos e, principalmente, no respeito à dignidade e à cidadania de todos.”

Ascom