Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O desemprego no Brasil foi a 12,2% no trimestre encerrado em março, o primeiro mês em que o país sentiu os efeitos econômicos do novo coronavírus, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

A taxa de desocupação já havia crescido em fevereiro, subindo para 11,6% e atingindo 12,3 milhões de pessoas. Em março, esse número saltou para 12,9 milhões de pessoas. O registro representa uma alta de 1,3 ponto percentual na comparação com o último trimestre de 2019. São 1,2 milhão de pessoas a mais na fila por um emprego no país. Com o reflexo da pandemia, o IBGE realizou a pesquisa pela primeira vez por telefone, com o objetivo de proteger os trabalhadores. Estava, porém, com dificuldades de ouvir os brasileiros.

O país vive uma espécie de apagão estatístico de emprego: os dados do Caged (sobre pessoas com carteira assinada) ainda não foram divulgados neste ano, o detalhamento do seguro-desemprego é irregular e o IBGE mudou a coleta de dados, passando a fazê-la via telefone. O aumento do número de desocupados vem acompanhando a escalada da Covid-19 no Brasil e das medidas de fechamento de serviços não essenciais adotadas para conter a disseminação da doença.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp