Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Consequência dos maus hábitos alimentares, o diabetes é uma das doenças que mais aflige os cearenses, possuindo um alto risco de levar a morte. Segundo dados da Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa), em 2019, morreram 1.601 pessoas em decorrência da doença.

Nesta quarta-feira, 14, Dia Mundial do Diabetes, o alerta a e prevenção vem à tona como armas de combate à doença. Embora ainda alto, o número de mortes teve uma discreta redução entre os anos de 2014 e 2018, passando de 2.217 óbitos para 1.990, queda de 10%. A maioria dos óbitos se deu entre pessoas acima dos 50 anos.

Ainda no ano passado, no entanto, Fortaleza foi classificada como a segunda capital brasileira com o maior percentual de diagnóstico de diabetes, conforme dados da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2018). Ao todo, 9,5% das pessoas entrevistadas, de 18 anos ou mais, alegaram portar a doença.

A obesidade associada ao sedentarismo é um dos principais motivos responsáveis pelo desenvolvimento do diabetes. Situações como histórico da doença na família ou pessoas com hipertensão arterial também devem ser monitoradas regularmente.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp