Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Perfuração de poços no Ceará (Foto: Reprodução)

Os recursos federais destinados a construção de sistemas de abastecimento de água foram alvos de auditoria realizada pela Controladoria Geral da União (CGU), que apontou irregularidades nos contratos, estimando prejuízo de, pelo menos, 5 milhões aos cofres públicos.

De acordo com reportagem do Diário do Nordeste, O Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) contratou a empresa Imperatriz Poços e Irrigações no ano de 2013, tendo como objetivo a construção de 183 sistemas de abastecimento – incluindo poços artesanais, adutoras e cisternas – no interior cearense.

As obras execederam os 180 dias previstos, e segundo o relatório do DNOCS enviado à CGU foram entregues apenas 132 sistemas, com o pagamento de pouco mais de 13 milhões de reais. Conforme o documento, a empresa solicitou aditivos ao longo do processo de construção, aumentando o valor do contrato e diminuindo o número de sistemas a serem entregues.

O assunto foi destaque no Bate-Papo político desta quarta-feira (15) do Jornal Alerta Geral (Expresso FM 104.3 + 26 emissoras no interior). O jornalista Beto Almeida afirmou que o prejuízo é muito maior e que o DNOCS agiu de maneira incorreta.

Esse prejuízo de 5 milhões é muito maior, porque apenas 87 poços foram visitados, isso corresponde a pouco mais de 60% do total de obras de cisternas que deveriam ter sido feitas, ou seja, o prejuizo é muito maio. O Dnocs pagou, na realidade de forma antecipada a essa empresa Imperatriz Poços, por servicos que nem sequer foram realizados.

Beto Almeida reforça sua crítica ao órgão responsável e denuncia essas irregularidades no sistema de abastecimento para as famílias carentes do sertão cearense:

É a indústria da seca em plena atividade no séculoo 21. É o Dnocs encerrando a sua história de forma triste. Porque na realidade, quandos se sai na defesa da importância histórica que tem um orgão como o Dnocs, não e pro Dnocs está mais submetido a esse tipo de situação.

Em contrapartida, o jornalista Luzenor de Oliveria defende que a instituição deve ser preservada:

A punição precisa ser imposta a quem comete os demandos, as irregularidades e expõe o Dnocs a essa situação tão ruim

Ouça o Bate-Papo político desta quarta-feira (15) na íntegra, clicando no player abaixo:

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp