Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em carta publicada na noite dessa quinta-feira, 20, no Facebook, disse que o quadro eleitoral atual é sombrio e faz um apelo pela união de candidaturas de centro para eleger o que chamou de candidatos “mais capazes”.

“Ante a dramaticidade do quadro atual, ou se busca a coesão política, com coragem para falar o que já se sabe e a sensatez para juntar os mais capazes para evitar que o barco naufrague”, escreveu FHC.

O ex-presidente alerta que a união é importante para evitar a escolha do eleitorado por um “salvador da pátria” ou de um “demagogo, mesmo que bem intencionado”, cuja eventual gestão pode levar ao aprofundamento da crise econômica, social e política.

” É hora de juntar forças e escolher bem, antes que os acontecimentos nos levem para uma perigosa radicalização”, diz o ex-presidente, que ainda acrescenta:

“Diante de tão dramática situação, os candidatos à Presidência deveriam se recordar do que prometeu Churchill aos ingleses na guerra: sangue, suor e lágrimas. Poucos têm coragem e condição política para isso. No geral, acenam com promessas que não se realizarão com soluções simplistas, que não resolvem as questões desafiadoras”, afirma o ex-presidente, alegando ser necessário “deter a marcha da insensatez”.

“Ainda há tempo para deter a marcha da insensatez. Como nas Diretas-já, não é o partidarismo, nem muito menos o personalismo, que devolverá rumo ao desenvolvimento social e econômico. É preciso revalorizar a virtude da tolerância à política, requisito para que a democracia funcione”.

No texto, o tucano não menciona nenhum candidato, nem mesmo o seu correligionário Geraldo Alckmin, que patina nas pesquisas de intenção de voto. Logo após a repercussão da postagem em seu Facebook, o ex-presidente foi ao Twitter e explicou que sua intenção na carta é clamar por “sensatez” e aliança dos candidatos “não radicais”. No Twitter, Fernando Henrique afirmou que quem veste melhor o figurino é Alckmin.

Com informações do Jornal O Globo