Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira, 9, em entrevista à rádio Guaíba, de Porto Alegre, que seu nível de esperança com a aprovação da reforma da Previdência hoje é “nota 7”, mas espera chegar a 10 nas próximas semanas. “Minha esperança pela aprovação da reforma da Previdência hoje é nota 7. Espero conseguir chegar a 10. Temos que conseguir convencer os colegas parlamentares”, disse Temer.

O governo tem corrido contra o tempo para conquistar apoio para aprovar a reforma. A data para a proposta entrar em votação foi empurrada para o dia 28 de fevereiro, e os debates começam no dia 20. Nesta semana, o relator da matéria, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), apresentou algumas mudanças no texto para tentar atrair mais votos, mas o governo ainda trabalha com apenas 267 votos garantidos, contra os 308 necessários para a aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição.

Combustíveis

Perguntado sobre o alto preço da gasolina, Temer defendeu a política da Petrobras, de aumentar e reduzir o valor de acordo com os preços internacionais, e colocou a culpa dos altos preços nos postos e nas distribuidoras. “Quando o valor aumenta os postos reajustam, mas quando o valor reduz, eles não reduzem”, criticou. “Não vamos permitir essa agressão ao consumidor. Determinamos ao Cade e a Polícia Federal que faça a fiscalização dos postos de combustíveis”, reiterou.

Temer ainda mencionou que o governo estuda para as próximas semanas uma forma de “compensar o aumento do preço do gás de cozinha para os mais pobres”. O Governo Federal já teve programa semelhante. O vale gás foi criado no governo de Fernando Henrique Cardoso e pagava um auxílio para famílias de baixa renda. Esse foi um dos programas incorporados ao Bolsa Família no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Com informações da Reuters