Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A queda de braço entre o deputado estadual André Fernandes e o deputado federal Heitor Freire, pode ganhar um novo capítulo dentro do PSL. Isso, porque, a cúpula nacional da sigla começou a discutir ações para lançar os campeões de votos em 2018 como candidatos a prefeito de capitais e de grandes cidades nas eleições de 2020.

André perdeu o comando do PSL em Fortaleza para Heitor Freire, mas com a nova estratégia da cúpula nacional do partido entra como possível candidato à sucessão do prefeito Roberto Cláudio (PDT). Eleito em 2018 para o primeiro mandato de deputado estadual, André Fernandes saiu das urnas como campeão de votos – 109.742 votos.

A maior votação, entre os 46 deputados estaduais eleitos, tem outro componente que o beneficia: com 54.943 votos, André ficou, também, com a maior votação em Fortaleza, o que deixa com bom recall na corrida à sucessão municipal. As divergências internas extrapolaram os muros do PSL e invadiram as redes sociais.

Se em Fortaleza o conflito pode ser contornado, em outras capitais o PSL trabalha para os detentores de mandatos parlamentares que se destacaram pelas expressivas votações estejam nas urnas em 2020 como candidatos a prefeito.

Uma reportagem do Jornal O Globo destaca que “o PSL vai escalar deputados campeões de voto em 2018, eleitos na onda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro, para entrar na disputa de prefeituras de cidades grandes e médias no próximo ano’’.

O projeto dessas candidaturas já caminha com mais intensidade no Rio de Janeiro, Curitiba, Campo Grande, Cuiabá e São Paulo. De acordo com a reportagem de O Globo, a tendência se repete em municípios de médio e grande porte. Deputados que tiveram votações recordes no ano passado são cotados para defender uma candidatura do partido, por exemplo, em Blumenau (SC) e Vila Velha (ES).

O PSL aposta na popularidade do presidente Bolsonaro para eleger um bom número de prefeitos em médias e grandes cidades dentro para preparar a sigla com vistas às eleições presidenciais de 2022. Com essa preocupação, o presidente nacional da agremiação, Luciano Bivar, tem dito que a meta é lançar candidaturas próprias a prefeito em todas as cidades com mais de cem mil habitantes — são cerca de 300 atualmente.