Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, classificou como “inconsequente e golpista” a afirmação do deputado federal eleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), de que bastam um soldado e um cabo para fechar a Corte.

Celso de Mello disse ainda que o fato de Bolsonaro ter tido uma votação expressiva nas eleições — ele recebeu quase 2 milhões de votos — não legitima “investidas contra a ordem político-jurídica”. O magistrado, que é o decano do STF, enviou a declaração por escrito ao Jornal Folha de São Paulo, e pediu que ela fosse publicada “na íntegra e sem cortes”.

O vídeo com as declarações de Eduardo Bolsonaro começaram a circular logo cedo entre ministros do STF. Celso de Mello teve uma das reações mais indignadas. Questionado pela Folha, decidiu enviar a mensagem. Outros ministros trocaram mensagens e telefonemas entre si. Eles aguardam a chegada do presidente da Corte, Dias Toffoli, para discutir um posicionamento. Ele estava em Veneza para compromissos profissionais e deve chegar nesta segunda-feira, 22, em Brasília.

A ministra Rosa Weber, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), disse que a magistratura se mantém firme. “No Brasil, as instituições estão funcionando normalmente. E juiz algum no país, juízes todos no Brasil [que] honram a toga, se deixa abalar por qualquer manifestação que eventualmente possa ser compreendida como conteúdo inadequado”, afirmou ela. Marco Aurélio Mello disse que vivemos “tempos sombrios”. “Vamos aguardar, com toda a serenidade, os acontecimentos”. O vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Medeiros, não comentou.

Confira na íntegra o que escreveu o ministro do STF

“Essa declaração, além de inconsequente e golpista, mostra bem o tipo (irresponsável) de parlamentar cuja atuação no Congresso Nacional, mantida essa inaceitável visão autoritária, só comprometerá a integridade da ordem democrática e o respeito indeclinável que se deve ter pela supremacia da Constituição da República!!!! Votações expressivas do eleitorado não legitimam investidas contra a ordem político-jurídica fundada no texto da Constituição! Sem que se respeitem a Constituição e as leis da República, a liberdade e os direitos básicos do cidadão restarão atingidos em sua essência pela opressão do arbítrio daqueles que insistem em transgredir os signos que consagram, em nosso sistema político, os princípios inerentes ao Estado democrático de Direito”.

Com informações do Jornal Folha de São Paulo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp