Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Os trabalhadores da iniciativa privada vão poder aderir a partir de hoje à modalidade de saque-aniversário do FGTS. As regras serão detalhadas hoje pela Caixa Econômica Federal. O site o DIA mostra as vantagens e desvantagens para quem for optar por esse modelo de retirada de recursos do fundo.

O saque-aniversário permite a retirada de parte do saldo da conta do FGTS todo ano, no mês do aniversário do trabalhador. para quem aderir, em casos de demissão sem justa causa, o saldo total não poderá ser sacado por pelo menos dois anos. Mas o empregado terá direito à multa de 40% sobre o fundo. Poderá retirar o dinheiro em caso de compra da casa própria, doenças graves, aposentadoria e outras situações já previstas na lei.

O trabalhador que optar pela modalidade receberá um percentual do saldo do FGTS acrescido de uma parcela adicional, conforme tabela acima. Por exemplo, quem tem R$ 750 na conta, receberá 40% desse valor, ou seja R$ 300, mais o adicional de R$ 50. No total, esse trabalhador poderá sacar R$ 350. No caso de ter apenas R$ 500 no fundo, o saque será apenas de R$ 250 – 50% do saldo.

Os pagamentos começam em abril do ano que vem, conforme o calendário da Caixa, com os nascidos em janeiro e fevereiro recebendo de abril a junho de 2020, por exemplo. A partir de 2021, o saque se mantém no mês do aniversário até os dois meses seguintes. Essa modalidade só valerá para o trabalhador que comunicar a partir de hoje à Caixa que quer receber os recursos.

“Em qualquer momento, as vantagens de resgatar o FGTS são que o trabalhador tem oportunidade de render mais o dinheiro, investindo por exemplo na poupança. Mas se não quiser investir, para usar bem esse recurso, o ideal é pagar as dívidas que têm os juros mais altos”, orienta Paulo César Pereira, professor do curso de Ciências Contábeis do Unipê.

Já a desvantagem está justamente em não receber o valor integral em caso de demissão. Para reverter a situação, o trabalhador terá que esperar dois anos após a adesão, justo no momento mais difícil se estiver desempregado.

Por esse motivo, a especialista em finanças Raffaela Fahel alerta:

“É essencial observar os contextos em que o trabalhador vive, o que ele faria com o dinheiro e se na empresa tem alta rotatividade. Ou até mesmo se os valores disponíveis para saque, de acordo com cada percentagem, são suficiente para quitar as dívidas”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp