install adobe acrobat pro dc 2017 free windows 10 pro 00331 free road rash game free download for windows 8.1 64 bit free lexmark universal driver windows 10 adobe audition cc crack 64 bit free adobe photoshop cc canada free

A oposição ao Governo do Estado vive momentos de expectativas sobre o nome a ser escolhido para disputar a sucessão do Governador Camilo Santana (PT). O nome de maior força eleitoral é o do Capitão Wagner que, nessa quarta-feira, ao se filiar, de forma discreta e sem a presença dos correligionários da oposição, deixou dúvida se, realmente, concorrerá ao Palácio da Abolição ou retomará o projeto de disputar um mandato de deputado federal.

A leitura dos bastidores políticos é a de que, quem é pré-candidato a cargo majoritário (presidente da República, governador ou senador), não pode criar uma agenda isolada e sem um fato político que dê dimensão a unidade de partidos que se juntam para uma disputa eleitoral. A filiação de Capitão Wagner ao Pros ganhou destaque no Bate Papo Político na edição desta quinta-feira, 22, do Jornal Alerta Geral (Rádio FM 103.4 – Expresso Grande Fortaleza + 24 emissoras do Interior). Os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida analisaram os desdobramentos da escolha de Wagner, que influencia nos rumos da corrida pelo Governo do Ceará.

Muita gente ficou surpresa com a repentina filiação de Wagner ao PROS, embora, após anunciar a sua decisão de se desligar do PR, ainda, no mês de janeiro, tenha construído esse caminho. Outras opções de Wagner, que estava em sintonia com o vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa, eram o DEM, o PSDB, o PP e o PSD. Em todas essas siglas, Wagner teria que seguir orientação, enquanto no PROS, passa a ser dono da própria agenda. Ou seja, sem chefe!

A surpresa maior ficou por conta de uma espécie de mistério que marcou o ingresso de Wagner e do deputado estadual Roberto Mesquita para os quadros do PROS. Há, ainda, outro fato a se interpretar: Wagner decidiu ingressar no PROS 24 horas após oficializada a escolha do senador Tasso Jereissati ao cargo de coordenador-geral da campanha do pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin.

Os dois acontecimentos não estão dissociados: Wagner recebeu, em 2016, apoio do PSDB, chegou ao segundo turno da eleição à à Prefeitura de Fortaleza, foi derrotado pelo atual prefeito Roberto Cláudio (PDT), acumulou um bom capital de votos na RMF e, no pleito deste ano, surgiu como o nome preferido de Tasso Jereissati para ser o candidato da oposição ao Governo do Estado. Muitos oposicionistas esperavam reciprocidade de Wagner ao apoio recebido do PSDB.

A manifestação de Tasso, fortalecida com manifestações expostas entre as lideranças de oposição (PSDB, PSD, SD e pelo grupo do vice-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa, que, também, deixa o PR), fez o Capitão Wagner trocar a ideia inicial de se lançar à Câmara Federal pela possível postulação à sucessão do Governador Camilo Santana.

Wagner tem capital eleitoral que o credencia à disputa majoritária (governador ou senador), mas tem transmitido pouca convicção sobre o real desejo de entrar na corrida pelo Palácio da Abolição. Essa convicção ficou ainda mais fragilizada nessa quarta-feira durante o ato, em Brasília, de filiação ao PROS. O ato – longe da base eleitoral, sem a presença dos líderes de oposição se configura em um gesto isolado e de quem não pensa na candidatura ao Governo do Estado. Wagner pode contestar essa versão, se colocar como pré-candidato a governador, mas os gestos das últimas horas apontam outro caminho nas eleições de 2018.

Confira abaixo o trecho do Bate Papo Político de hoje que traz as análises dos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida sobre o tema!

FILIAÇÃO DE CAPITÃO WAGNER AO PROS