Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

OK Roberto Cláudio, você venceu. Pelo menos por enquanto, a Feira da Zé Avelino chega ao fim. Mas, ainda vai rolar muita água por debaixo dessa ponte.Os interesses são muitos e imensos. Tem muita grana em jogo. O próprio RC dá uma dimensão do negócio ao ir à Câmara Municipal, sem avisar, para denunciar uma série de ameaças e ações de violência dos feirantes e pedir “sensibilidade” de parlamentares para a importância do projeto.

Bem, a sorte está lançada.

Espera-se apenas que a Zé Avelino, que gera milhares de empregos, formais ou não, sustenta milhares de famílias, produz renda, não se transforme numa nova Monsenhor Tabosa, que, mais organizada, era um polo comercial de Fortaleza, atraindo turistas e compradores locais e de outros estados. Hoje, após as “reformas, requalificação e urbanização” feitas pela prefeitura, está entregue às moscas. As lojas mais presentes na Monsenhor Tabosa são a “Aluga-se” e a “Vende-se”.

“A força”

No Brasil, infelizmente, o poder público tem essa “força” de melhorar para acabar. Sempre alegando agir, pelo menos supostamente, em nome da coletividade, destrói tudo que a sociedade constrói livremente. Além disso, a ideia de realocar feirantes no Centro Fashion Fortaleza, um galpão próximo, não contempla suas demandas.

Preço da truculência

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) confirmou, na tarde de quarta-feira, 17, a condenação ao ex-ministro Ciro Gomes na ação movida pelo presidente Michel Temer por danos morais. Ciro terá de pagar indenização de R$ 30 mil a Temer, por ter chamado o presidente de “ladrão fisiológico”, em palestra na Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia (EUA), em abril. Irmão de Ciro, Cid Gomes também já foi condenado a pagar R$ 50 mil por danos morais ao presidente. Os dois são conhecidos por tratar adversários de forma truculenta.

Mais dinheiro no buraco

Acredite se quiser, o governo vai gastar mais R$ 27,35 milhões com revisões e garantia estendidas das quatro tuneladoras compradas pelo Estado, em 2012, para cavar os “buracos” da Linha Leste do Metrofor. Do jeito que chegaram, os “tatuzões” continuam encaixotados, enferrujando, ao lado da estação Chico da Silva, no Centro, sem terem contribuído para fazer um único dos milhares de buracos nas ruas que atravancam a vida dos motoristas em Fortaleza. Além disso, no fim do ano passado, foi assinado um contrato de R$ 5 milhões, para construção de galpões, vigilância e pavimentação da área onde as máquinas ficarão guardadas, de maneira mais adequada, até que possam entrar em operação. Sabe Deus quando e se.

Cadê ele? …

O autor da segunda proposta de emenda constitucional que extingue o Tribunal de Contas dos Municípios, Heitor Ferrer entregou a PEC ao Departamento Legislativo da Assembleia e sumiu. Desde a semana passada que Heitor não pisa na AL. Na última quarta-feira, a proposta foi lida, para surpresa geral dos deputados. Ela traz 31 assinaturas do bloco que apoia Camilo Santana, menos de três governistas: Joaquim Noronha (PRP), Fernando Hugo e Walter Cavalcante, ambos do PP.

A razão

Fernando Hugo justifica que não assinou a nova PEC de Heitor Ferrer porque luta para ser o indicado para substituir Teodorico Menezes no Tribunal de Contas do Estado (TCE). Ele considera que seria uma incoerência apoiar o fechamento de um tribunal, no caso o TCM, e, ao mesmo tempo, reivindicar a vaga no TCE. Hugo é o mais antigo deputado estadual nem atividade.

Cabra valente

André Costa, secretário da Segurança, afirmou que vai lançar um número de WhatsApp, no qual a população poderá enviar denúncias de crimes diretamente a ele.O “Fale com o secretário” surgiu após André receber denúncias de roubos em um de seus perfis nas redes sociais. Em um post no Instagram, o secretário informa que no novo canal passará a receber fotos e vídeos. Isso, segundo ele, irá facilitar o acesso da população a ele.O número deve ser divulgado ainda nesta semana. O post, com mais de 1.300 comentários, foi recebido como uma boa iniciativa.

Redução de custos eleitorais

Portaria assinada pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, pode provocar a extinção de 20 até 27 zonas eleitorais no Ceará. A decisão do ministro, publicada no Diário de Justiça Eletrônico de terça-feira, 16, pretende adequar o número de zonas nos estados a uma nova regra definida pelo TSE.O objetivo da medida é cortar custos de manutenção das zonas eleitorais no interior. Atualmente, o Ceará conta com 123 zonas eleitorais.

Receio no meio jurídico

Apesar de ainda não existir cálculo certo de quantas zonas serão extintas, a estimativa é de que pelos menos vinte deixem de existir por conta dos novos critérios de proporcionalidade adotados pelo TSE.A medida tem sido recebida com certo receio no meio jurídico, por conta do risco de que algumas zonas acumulem municípios demais e fiquem sobrecarregadas. Pela regra atual, algumas zonas eleitorais já se queixam do excesso de processos julgados a cada pleito.TRE ainda avaliará decisão.

Preço da boia

A cesta básica do Nordeste encerrou abril custando R$ 382,43, 3% mais cara do que no mês anterior. O aumento é o mesmo da média nacional. A informação é do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), com dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada pelo Dieese. O Etene é o órgão de pesquisas do Banco do Nordeste.A cesta nordestina já acumula variação de +4,5% em 2017. No primeiro quadrimestre de 2017, o preço do conjunto de alimentos essenciais cresceu em cada mês na Região mais do que em qualquer outra, comparado com o mesmo mês do ano anterior.

Está é ruim

A confiança dos consumidores voltou a cair em abril, diante dos obstáculos ainda presentes na economia, como desemprego elevado, o consequente aperto do orçamento e perda do poder de compra. No período, a percepção do cenário atual, com relação à economia, cerca de 82% dos consumidores acreditam que a situação está ruim ou muito ruim, contra somente 1% que consideram a situação boa ou muito boa. A confiança também vem sido afetada, ao registrar 40,5 pontos – contra os 42,3 em março -, caindo 4,1%, segundo o Indicador de Confiança do Consumidor (ICC), apurado pelo SPC Brasil e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), e divulgado ontem.

A política ajuda a piorar

Na passagem de março para abril, o consumidor percebeu um noticiário político bastante negativo, o que reforçou o receio de novas instabilidades, segundo avaliação do presidente da CNDL, empresário cearense Honório Pinheiro. “No cenário econômico, o desemprego seguiu crescendo, contribuindo para o resultado de abril”, explica o dirigente. “A combinação do risco de novas instabilidades políticas e a atividade econômica ainda fraca explicam a dificuldade de a confiança se estabelecer num nível satisfatório”, acrescentou.

E agora pode? …

A Anvisa incluiu a Cannabis sativa em sua lista de plantas medicinais.A velha maconha foi registrada como parte da Denominação Comum Brasileira (DCB), uma lista que inclui os nomes oficiais de princípios farmacológicos. Para que fabricantes registrem novos medicamentos, as substâncias que os compõem precisam fazer parte dessa lista.A relação de nomes também tem a intenção de servir como ferramenta de pesquisa e informação para o público geral e para profissionais de saúde.

… pode não

Contudo, a inclusão da planta na DCB não muda as regras relacionadas à maconha medicinal no Brasil, ou seja, não houve uma autorização para utilização da Cannabis ou reconhecimento de propriedades medicinais, segundo nota da Anvisa.