Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A crise no Ministério da Educação não dá sinais de que terminará em breve.
Nessa quarta-feira (27), subiu para 16 o número de exonerações nos primeiros 86 dias de gestão: o diretor de Avaliação da Educação Básica, Paulo César Teixeira, pediu para sair. O setor do ex-diretor é responsável pela realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Com a série de demissões e o ministro Ricardo Vélez Rodríguez sob constante ameaça de perder o cargo, a pasta travou projetos da área para o país, entre eles, o Plano Nacional de Educação (PNE).

Em audiência pública na Câmara dos Deputados, Vélez Rodríguez atribuiu a demissão, na terça-feira (26), do presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Marcus Vinicius Rodrigues, a uma “puxada de tapete” do subordinado, que decidiu adiar, deste ano para 2021, a avaliação de crianças em fase de alfabetização.

Vélez cancelou a portaria. Ele argumentou que a medida precisava ser mais debatida pela equipe, mas o estrago estava feito — no mesmo dia do anúncio do adiamento, a secretária de Educação Básica do MEC, Tania Leme de Almeida, pediu demissão, porque não tinha sido consultada sobre a medida.

Em seu perfil no facebook, Tania avaliou o impacto da decisão do ministro. “A interrupção intempestiva de uma série histórica poderia vir a ter consequências indesejáveis sobre a análise de evidências e o balizamento de ações em todo o território nacional”, criticou.

BOLSONARO SOBRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Em entrevista a José Luiz Datena, transmitida na Band, o presidente Jair Bolsonaro admitiu que há problemas no Ministério da Educação.

Temos que resolver a questão. Vamos ter mais uma conversa com o atual ministro e vamos ter que decidir a questão da Educação, porque, realmente, não estão dando certo as coisas lá, afirmou.

Bolsonaro ressaltou que a pasta é uma das mais importantes. “O que a gente quer é que a garotada no ensino fundamental aprenda física, química, matemática e biologia”, destacou. 

Agora, tem que ter poder de comando e indicar pessoas corretas para que isso chegue no final da linha. É um ministério dos mais aparelhados que tem. É dificuldade para tudo que é lado, disse.