A linha preferencial de apoio a projetos emergenciais de combate à pandemia causada pelo coronavírus, que foi lançada pela Funcap no início de abril, já conta com financiamentos aprovados ou em fase final de avaliação de viabilidade para vários projetos. A iniciativa proporcionou a mobilização de agentes do governo, pesquisadores e indústrias cearenses em torno do esforço para encontrar soluções que ajudem a mitigar os efeitos da pandemia no Estado. Os principais resultados definidos nos projetos em andamento são os seguintes:

– Produção de aproximadamente 20 mil testes de detecção de contaminação de Covid-19;

– Produção de cerca 140 mil máscaras faciais;

– Produção do protótipo de um capacete de respiração assistida (Elmo) que funciona como alternativa ao respirador (este último um equipamento essencial para os pacientes mais graves e que está em falta no mercado devido à alta demanda);

– Fabricação e reparo de peças para respiradores;

– Desenvolvimento de aplicativos em dispositivos móveis para facilitar o trabalho dos profissionais de saúde;

– Desenvolvimento de aplicativos em dispositivos móveis para gestão e alocação de ventiladores mecânicos.

O principal objetivo da linha criada pela Funcap é prover um processo ágil e desburocratizado de tramitação de propostas que permita a contribuição em tempo real para o combate às doenças causadas pelo vírus. A expectativa é de que mais projetos sejam incorporados, com mais recursos sendo aportados de acordo com a demanda.

Além de fomentar com recursos, a Funcap auxilia no trabalho de articulação e arregimentação de pesquisadores e empresas, para promover o trabalho colaborativo dos atores envolvidos em projetos que apresentem resultados concretos no curto espaço de tempo que a circunstância requer. Os projetos devem ser de caráter emergencial, com pesquisa aplicada ao atendimento de demandas específicas que sejam relacionadas ao combate à pandemia ou à mitigação de seus danos.

Todos os projetos a serem atendidos por essa linha precisam ter o aval da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (Sesa) ou da Escola de Saúde Pública (ESP) e estar diretamente relacionados às demandas destes órgãos no combate à pandemia.

(*)com informação do Governo do Estado do Ceará