Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A programação do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) para 2021 será tema de debate nesta quinta-feira (24), em evento virtual a ser transmitido pelo Canal do Banco do Nordeste no YouTube https://www.youtube.com/c/BancodoNordesteOficial

Objetivo do evento

O objetivo é apresentar os resultados das discussões realizadas nos Estados de atuação do Banco do Nordeste (Região Nordeste e norte de Minas Gerais e do Espírito Santo) visando definir o planejamento do Fundo com as expectativas de financiamento para os setores produtivos – Agricultura, Agroindústria, Comércio e Serviços, Indústria, Infraestrutura, Pecuária e Turismo -, beneficiando os diferentes portes de empreendimentos.   

Sobre o evento

O evento será aberto e contará com a presença do presidente do Banco do Nordeste, Romildo Carneiro Rolim, do superintendente da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), Evaldo Cavalcanti Cruz Neto, de representante do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e de entidades dos setores produtivos. Devido à crise sanitária, é a primeira vez que o evento ocorre de forma virtual.

Sobre o Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste

O FNE foi criado pela Constituição Federal de 1988, como instrumento de financiamento da Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR), com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento econômico dos nove estados do Nordeste e do norte de Minas Gerais e do Espírito Santo. É administrado pelo Banco do Nordeste, como agente do Governo Federal na Região.

Nos últimos três anos (2017 a 2019), por meio de diversas linhas de financiamento e programas, o Banco contratou com recursos do FNE o valor total de R$ 78,1 bilhões. Somente no primeiro semestre de 2020, do orçamento de R$ 25,3 bilhões para o exercício, o BNB já contratou R$ 12,5 bilhões. Especificamente no Ceará, no mesmo período de 2017 a 2019, foram contratados R$ 10,2 bilhões, sendo que, nos primeiros seis meses de 2020, da meta de R$ 3,8 bilhões para o Estado, o volume de contratações realizadas chega a R$ 2,1 bilhões.   

(*)com informação da A.I